Horário de Atendimento:

8:00h - 20:00h

Telefone:

(11) 5573-1970

Sono, Saúde e Qualidade de Vida

A Relação Entre Sono, Saúde e Qualidade de Vida

Veja neste artigo mais informações sobre a relação entre sono, saúde e qualidade de vida.

Sono, Saúde e Qualidade de Vida

Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal de Alagoas demonstrou que as noites ruins de sono podem afetar as memórias de curto prazo verbal, operacional e visuoespacial, principalmente nos homens. Já nas mulheres, foi registrado um leve declínio na memória de curto prazo verbal.

Os pesquisadores também concluíram que esquecer palavras, decorar um número de telefone, montar um quebra-cabeça ou se localizar em um ambiente recentemente conhecido são tarefas que podem ser mais difíceis para quem não dorme adequadamente.

Distúrbios do sono em homens e mulheres

Com base nos dados deste estudo, que foi realizado de 2015 a 2016  pelo Laboratório de Eletrofisiologia e Metabolismo Celular da Universidade, os efeitos da má qualidade do sono são diferentes entre homens e mulheres.

Os pesquisadores constataram que o homem sofre mais com as noites mal dormidas. Embora as mulheres relatem um maior número de queixas por causa das poucas horas de descanso, elas demonstraram uma maior resistência.

A pesquisa ainda concluiu que os homens deitam mais tarde e dormem menos, além de apresentarem um sono mais fragmentado. Já as mulheres vão para cama mais cedo e dormem cerca de 24 minutos a mais que eles, mesmo demorando um pouco a mais para adormecer.

Por quanto tempo devemos dormir?

De acordo com a Associação Mundial de Medicina do Sono, saúde e qualidade de vida a duração adequada de descanso para a maioria dos adultos jovens é de 7 a 9 horas de sono. Porém, há uma pequena parcela da população que se sente bem dormindo apenas 6 horas por noite. Chamamos essas pessoas de “dormidores curtos”.

Na realidade, o ideal é dormir o suficiente para promover o descanso, a restauração mental e orgânica. Dessa forma, evitamos flutuações do humor e mantemos o equilíbrio do sistema imunológico e cardiovascular.

É válido considerar que este tempo de sono, saúde e qualidade de vida pode variar de acordo à fase da vida. Numa fase de aprendizado, por exemplo, a falta adequada de descanso resulta em alteração de humor e prejuízo cognitivo. Estudos já demonstram irritabilidade,
agressividade e sintomas depressivos associados a horas insuficientes de sono, principalmente entre os estudantes.

Dicas para um sono mais restaurador

Entre as medidas recomendadas para melhorar a qualidade do descanso, estão a adoção de um horário regular para deitar e acordar, excluir o café e bebidas estimulantes depois das 17:00 e não usar o smartphone e o computador pelo menos
uma hora antes de dormir.

Quer mais Qualidade de Vida? Procure nossa Clínica. Agende uma consulta.

 

Artigo Publicado em: 3 de julho de 2017 e Atualizado em 6 de fevereiro de 2019

disturbios-sono

Distúrbios do Sono na Menopausa

Os distúrbios do sono costumam ser mais frequentes entre mulheres: a Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo afirma que há uma diferença de 30% de incidência entre mulheres e homens. A chegada da menopausa, que ocorre em torno dos 50 anos da mulher, pode potencializar esse problema.

A menopausa é a fase da vida das mulheres que corresponde à interrupção de sua etapa fértil, quando os ovários deixam de produzir o principal hormônio feminino, denominado estrogênio. É o período de 12 meses após a última menstruação espontânea da mulher, que marca a transição entre seu período reprodutivo e não-reprodutivo.

Após a menopausa, muitas mulheres passam a apresentar distúrbios do sono, e no caso das que já apresentavam dificuldades para dormir, as queixas tornam-se mais prevalentes.

disturbios-sono

Distúrbios do Sono na Menopausa

A menopausa é um marco de muitas mudanças na vida da mulher, incluindo sua saúde geral e seu perfil de doenças.

Estudos evidenciam que mulheres na menopausa apresentam uma dificuldade maior para dormir, assim como para manter o sono, fatores que minimizam, assim, sua eficiência. A má qualidade do sono pode comprometer suas atividades cotidianas, seu bem-estar mental e físico durante o dia e, consequentemente, sua qualidade de vida.

O aumento dos distúrbios do sono decorrente da menopausa deve-se às mudanças hormonais que ocorrem nesta fase. A mulher nasce com um “estoque” de óvulos que produzirá ao longo de toda a vida. Quando este estoque acaba, os hormônios que até então eram produzidos pelos ovários (progesterona e estrogênio) também sofrem um declínio.

O neurologista Álvaro Pentagna, do Ambulatório de Sono no Adulto do Hospital das Clínicas da USP, explica que a redução destes hormônios origina distúrbios que prejudicam a qualidade do sono da mulher, como a insônia:

“A progesterona é um hormônio que tem o potencial de fazer a pessoa ter mais sono, é como se fosse um indutor de sono. A mulher que engravida, por exemplo, tem o nível de progesterona aumentado, por isso sente aquele monte de sono no início da gestação. Na menopausa acontece o contrário. A progesterona cai e piora a qualidade do sono da mulher”.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Apneia do Sono

O hormônio progesterona possui uma propriedade protetora das vias aéreas respiratórias. Quando deixa de ser produzido, a mulher torna-se mais vulnerável ao desenvolvimento de distúrbios respiratórios associados ao sono, como a apneia obstrutiva do sono.

A apneia do sono caracteriza-se pela obstrução completa do fluxo de ar pelo nariz ou pela boca, que ocorre durante o sono. Além de minimizar a concentração de oxigênio no sangue, a paciente de apneia do sono sofre de despertares frequentes durante a noite, que provocam cansaço, fadiga e sonolência durante o dia, baixa produtividade no trabalho e perdas em suas interações sociais.

A fragmentação do sono decorrente da apneia pode gerar uma série de danos graves à saúde da mulher, tais como: anemia, distúrbios renais, aumento da pressão arterial, distúrbios metabólicos e cardiovasculares, neuropatias e síndromes demenciais.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Fogachos

O cenário de diminuição dos hormônios estrogênio e testosterona, devido à menopausa, leva a mulher a outra condição prejudicial ao sono: os fogachos.

Os fogachos, como são chamadas as famosas ondas de calor que marcam a menopausa, provocam desconforto à mulher e fragmentam seu sono, uma vez que fazem com que ela acorde diversas vezes durante a noite por conta das mudanças de temperatura.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Mudanças de Humor

Problemas emocionais decorrentes da menopausa, como as mudanças de humor, também contribuem para um quadro de insônia. As alterações de humor marcam predominantemente o início da menopausa, a fase de interrupção dos ciclos menstruais.

Nesta fase, é comum que a mulher enfrente mudanças de humor, depressão, ansiedade, condições que favorecem o desenvolvimento de distúrbios do sono na menopausa.

Além disso, os distúrbios emocionais somam-se à condição social, que muitas vezes não vai bem. Problemas no casamento, filhos saindo de casa, o ponto de vista do envelhecimento… são muitos os fatores que podem afetar o aspecto emocional da mulher e colaboram para a má qualidade de seu sono.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Buscando Ajuda Médica

Você está enfrentando distúrbios do sono na menopausa e não sabe como combatê-los? Não hesite em buscar ajuda de um médico especialista em sono, e siga suas orientações para melhorar suas noites de sono.

Certamente, bons hábitos de saúde, tais como a prática regular de exercícios físicos e uma dieta alimentar equilibrada, aliados ao acompanhamento médico adequado, são fundamentais no combate aos distúrbios do sono na menopausa. Durma melhor, marque uma consulta com um médico do sono!

Álcool e Apneia do Sono

Consumo de Álcool e a Apneia do Sono

A apneia do sono caracteriza-se por ruídos e interrupções na respiração do paciente, que repetem-se ao menos cinco vezes durante o sono.

Conhecida predominantemente pelo ronco que provoca, a condição é responsável por uma lista extensa de sintomas potencialmente graves, que afetam significativamente a qualidade de vida dos pacientes. Estima-se que cerca de 30% da população brasileira adulta sofre de apneia do sono.

Pacientes que sofrem de apneia do sono têm agravada a oxigenação de seu sangue (a quantidade de sangue que foi oxigenada após passar pelo pulmão) devido ao consumo de álcool.

O consumo frequente de bebidas alcoólicas, mesmo que em níveis moderados, potencializa a gravidade do distúrbio do sono, sobretudo quando aliado a outros fatores de risco, como a obesidade e o tabagismo.

Álcool e Apneia do Sono

Consumo de Álcool e a Apneia do Sono

Segundo um estudo britânico realizado pelo Centro do Sono de Londres, o consumo de bebidas alcoólicas prejudica os ciclos do sono e pode ocasionar danos graves à saúde quando consumido usualmente antes de dormir, como a apneia do sono.

Embora o consumo de álcool diminua o tempo necessário para cair do primeiro sono, ele pode anular o ciclo do sono responsável pelo maior descanso do indivíduo, o sono REM, no qual ocorrem os nossos sonhos.

Apesar da existência de muitos defensores das doses moderadas de álcool antes de dormir – em algumas clínicas e asilos, inclusive, elas são servidas regularmente aos pacientes -, é necessário ter cautela em relação à ingestão destas bebidas.

Segundo Irshaad Ebrahim, diretor-médico do Centro do Sono de Londres, “devemos tomar muito cuidado com a bebida alcoólica (consumida) regularmente. Um ou dois copos à noite podem ser bons no curto prazo, mas se você continua usando uma dose antes de dormir, poderá causar problemas”.

O especialista afirma que, ao ingerir bebidas alcoólicas, é melhor esperar entre uma hora e meia a duas horas para dormir, até que o efeito do álcool passe.

Você está lendo: “Consumo de Álcool e a Apneia do Sono”.

Consumo de Álcool e Alterações do Sono

A partir do estudo britânico realizado, algumas alterações no sono relacionadas ao consumo de álcool foram identificadas, assim como a relação entre o consumo de álcool e a apneia do sono

Primeiramente, a bebida acelera o início do sono. Em seguida, faz com que a pessoa entre em um sono profundo. Essas alterações assemelham-se às provocadas pelos remédios antidepressivos, e até parecem ser bons efeitos colaterais.

Entretanto, a terceira e última mudança é a prejudicial, e impacta o padrão do sono a partir da segunda metade da noite: o consumo de álcool reduz a duração do sono REM, o ciclo do sono que inclui nossos sonhos.

Os resultados do estudo demonstram que ingerir bebidas alcoólicas antes de dormir não é uma prática saudável, e não é útil para obter uma noite de sono de qualidade. Por mais que a pessoa caia rapidamente no sono profundo, o mesmo é interrompido mais tarde.

Como consequência, o sono torna-se menos repousante, pode gerar ronco e até mesmo interrupções na respiração do paciente, configurando um quadro de apneia do sono. Além disso, o álcool deixa a pessoa desidratada e comumente ela tem de levantar para ir ao banheiro durante a noite.

No caso dos pacientes que já sofrem com a apneia do sono, a recomendação é evitar o consumo de álcool, uma vez que o mesmo tem potencial de agravar o quadro do transtorno, além de desconfigurar ainda mais seus padrões de sono.

Distúrbios Emocionais

Distúrbios Emocionais e Insônia – Compreenda a Relação

Estima-se que cerca de 80 milhões de brasileiros sofram com a insônia, distúrbio do sono caracterizado por dificuldades para dormir, despertares frequentes durante a noite e má qualidade do sono.  

A insônia trata-se de um transtorno resultante da interação de fatores físicos, biológicos, genéticos, sociais, psiquiátricos e emocionais. A emoção possui um efeito muito poderoso sobre a química do cérebro e o sono.

Distúrbios Emocionais

Distúrbios Emocionais e Insônia

Distúrbios emocionais, tais como desequilíbrio, traumas, ansiedade, depressão, mudanças de hábitos, perda de emprego, luto e preocupações são fatores que podem influenciar no surgimento de um quadro de insônia e até mesmo no desenvolvimento da insônia crônica.

A insônia, entre outros distúrbios do sono em geral que privem o indivíduo de noites de sono reparadoras, têm potencial de danificar o cérebro, em especial as regiões relacionadas às emoções e à consciência.

Trata-se, portanto, de uma relação bilateral: da mesma forma que os distúrbios de cunho emocional podem ocasionar um quadro de insônia, o distúrbio do sono pode também culminar em problemas emocionais e psiquiátricos no paciente.

Distúrbios Emocionais e Insônia – Compreenda a Relação

Existe uma relação entre distúrbios emocionais e insônia: aproximadamente 40% das pessoas que apresentam insônia crônica sofrem de problemas emocionais ou psiquiátricos, incluindo estresse, depressão, bipolaridade, ansiedade, pânico, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e paranoia.

É importante saber que a insônia não é um distúrbio aleatório: sua origem remete ao histórico e ao estilo de vida do paciente, inclusive no âmbito emocional e psicológico.

Qualquer mudança significativa no estado emocional do indivíduo pode contribuir para um quadro de insônia aguda. Preocupação, tristeza, medo, alegria e exaltação são estados que alteram a química do cérebro e provocam interrupções e perturbações no sono.

Pesquisas indicam que pacientes que sofrem de insônia apresentam lesões concentradas no hemisfério direito do cérebro, responsável pelas emoções, além de redução na integridade da região responsável pela regulação da consciência, do sono e do estado de alerta.

Distúrbios Emocionais e Insônia – Tratamento

Sabendo que a relação entre distúrbios emocionais e insônia é bilateral, um bom tratamento para o distúrbio do sono deve ser voltado também ao estado emocional do paciente, e vice-versa. Compreender qual é a causa da insônia é um fator determinante na eficácia do tratamento e do combate definitivo da doença.

Um hábito comum entre pessoas que sofrem de insônia é a ingestão de medicamentos para dormir sem prescrição médica. Essa conduta pode trazer prejuízos ainda maiores à saúde do paciente e agravar o quadro do distúrbio do sono.

O primeiro passo do tratamento da insônia é identificar a causa da desordem do sono, e trabalhar a base do problema. Sessões de psicoterapia podem ajudar no tratamento: a evolução do quadro emocional do paciente tende a minimizar os sintomas do distúrbio.

Em alguns casos, é necessário aliar o acompanhamento psiquiátrico ao tratamento da insônia, quando os especialistas julgam necessária a introdução de medicamentos em conjunto à intervenção psicoterapêutica.

Existem outros métodos de tratar os distúrbios emocionais e, consequentemente, tratar a insônia, tais como: meditação, visualização, relaxamento, terapia cognitivo-comportamental (TCC), treinamento autógeno, biofeedback, hipnose, respiração compassada, relaxamento muscular progressivo e tratamento homeopático clássico.

Pare de sofrer com a insônia! Procure um médico do sono e dê início à investigação para identificar a causa da desordem. Ele prescreverá o tratamento adequado de acordo com suas especificidades. Evite a automedicação.

International Surgical Sleep Society

9th International Surgical Sleep Society Meeting em Munich

No período de 5 a 7 de abril de 2018 o Núcleo de Otorrinolaringologia de São Paulo teve a honra de participar do 9th International Surgical Sleep Society Meeting em Munich.

International Surgical Sleep Society

Esta foi mais uma oportunidade para criar e fortalecer laços em nível global, trocando experiências com profissionais da Cirurgia do sono em todo o mundo!

O encontro foi focado na fisiopatologia da apneia obstrutiva do sono (AOS) e suas opções de tratamento. Pudemos participar de uma série de eventos educacionais ao vivo, envolvendo líderes de opinião, resumos científicos, discussões de casos e dicas técnicas, em diferentes workshops.

International Surgical Sleep Society

A International Surgical Sleep Society consiste numa organização mundial das mais importantes, dedicada à avaliação cirúrgica e ao tratamento de pacientes com distúrbios do sono. A ISSS realiza reuniões científicas internacionais que proporcionam aos cirurgiões de todo o mundo discutir os avanços na cirurgia do sono e compartilhar seus achados de pesquisa.

Essas reuniões forneceram a base para as iniciativas de pesquisa em andamento do ISSS, que ajudarão os pacientes com ronco ou apneia obstrutiva do sono e os cirurgiões que cuidam deles.

Os congressos do ISSS reúnem muitos dos especialistas do mundo em cirurgia do sono para apresentações e intercâmbios sobre novos tratamentos e pesquisas inovadoras. Essas conferências internacionais são realizadas em todo o mundo, refletindo o compromisso de compartilhar experiências e insights para avançar no campo da cirurgia do sono.

Programa desta Edição em München, Alemanha

Entre os principais tópicos abordados nesta conferência, podemos destacar os seguintes:

  • Visão geral na apneia obstrutiva do sono para 2018;
  • A individualização do tratamento da AOS – além do CPAP;
  • CPAP e seu futuro em um mundo de tratamentos diversificados de OSA;
  • O papel do nariz nas vias aéreas superiores;
  • Modificações cirúrgicas do palato mole I (ronco);
  • Modificações cirúrgicas do palato mole II (AOS);
  • Estimulação do nervo hipoglosso
  • CPAP e aparelho bucal e avanço maxilomandibuar (MMA);
  • Tratamentos combinados com cirurgia multi-nível;
  • Distúrbio respiratório do sono pediátrico – papel das terapias conservadoras e cirúrgicas.

Sobre Munique, a Sede do Evento

Além disso, esta também foi uma excelente oportunidade para explorar a capital da Baviera, Munique, e explorar o centro histórico com vários locais famosos, como a “Marienplatz”, “Viktualienmarkt” ou a “Maximilianstraße”.

Agora, de volta ao Brasil, estamos ansiosos para colocar em prática todas as experiências trocadas com nossos colegas da área!

Apneia e Hipertensão

Compreenda a Relação entre Apneia e Hipertensão

Diversas pesquisas já apontaram a Relação entre Apneia e Hipertensão. Ou seja, que a apneia do sono pode elevar os riscos de hipertensão arterial, assim como a hipertensão pode causar apneia do sono e piorar as condições respiratórias de quem sofre da doença. Trata-se de uma relação bilateral.

Os distúrbios do sono estão cada vez mais presentes na vida da sociedade moderna, uma vez que estamos cada vez mais expostos a fatores prejudiciais à qualidade do sono, tais como estresse, obesidade, ansiedade, etc.

O distúrbio do sono mais comum é chamado de apneia obstrutiva do sono: a condição atinge cerca de 33% da população e caracteriza-se por engasgos e roncos durante a noite, provenientes de uma respiração rápida e com repetidas interrupções por hora, devido a uma obstrução da via aérea superior.

Apneia e Hipertensão

Apneia e Hipertensão

A relação entre apneia do sono e hipertensão arterial é mútua, uma vez que ambas condições andam juntas: em qualquer país do mundo, de 30 a 50% da população que sofre de hipertensão arterial têm apneia do sono, especialmente os pacientes que apresentam hipertensão resistente a diferentes possibilidades de tratamento já realizados.  

Pacientes com apneia obstrutiva do sono apresentam chance quatro vezes maior de desenvolver hipertensão arterial resistente, mesmo com o tratamento medicamentoso adequado. Essa junção entre ambas condições está associada a uma elevação significativa do risco de danos mais graves à saúde, como ataque cardíaco e AVC (Acidente Vascular Cerebral).

A apneia do sono incide principalmente sobre homens na faixa etária de 30 a 70 anos. Muito dos pacientes que sofrem de pressão arterial elevada, além de apresentarem essas características, também são obesos, o que justifica a quantidade de pessoas afetadas por ambas condições de saúde.

Tratamento de Pacientes com Apneia e Hipertensão

O tratamento para apneia do sono traz consequências positivas para a hipertensão. Um estilo de vida equilibrado e uma dieta alimentar balanceada é o primeiro método de prevenção e tratamento da apneia do sono.

Evitando fatores de risco como excesso de peso, tabagismo, alcoolismo e uso de sedativos, você consequentemente estará prevenindo o distúrbio.

Tratamento com CPAP

Uma possibilidade de tratamento para a hipertensão arterial é o uso de CPAP: essa terapia pode reduzir até 3mmHg da pressão arterial média e 2.6mmHg da pressão arterial sistólica. Este tratamento associado ao uso de medicamentos anti-hipertensivos possui impacto ainda maior. O uso de espironolactona reduz significativamente a hipertensão arterial desses pacientes.

Entretanto, há uma certa resistência da parte dos pacientes em realizar o tratamento com uso de CPAP: muitos se queixam a respeito do sufocamento provocado pela máquina durante o sono e da pouca eficácia da ferramenta na redução da hipertensão.

Outra estratégia de tratamento para pacientes com apneia do sono e hipertensão arterial é a mudança de hábitos de higiene do sono, perda de peso, alimentação e outros fatores de risco. A abordagem cirúrgica da via aérea pode auxiliar no tratamento em alguns dos casos.

A percepção dos sintomas e diagnóstico precoce favorecem a eficiência do tratamento; por isso, o acompanhamento médico é fundamental.

Apneia do Sono e Obesidade

Apneia do sono e Obesidade – Compreenda esta Relação

A apneia do sono não se trata de um simples ronco: o distúrbio caracteriza-se pela obstrução completa do fluxo de ar pelo nariz ou pela boca, durante 10 segundos ou mais. A condição pode acarretar em danos mais graves à saúde do paciente, uma vez que minimiza a concentração de oxigênio no sangue.

Além da redução da oxigenação no sangue, o paciente de apneia do sono sofre de despertares frequentes durante a noite, o que culmina em cansaço, fadiga e sonolência durante o dia, baixa produtividade no trabalho, além de prejudicar suas interações sociais.

O exame que investiga e identifica a presença da apneia do sono é a polissonografia, realizado em ambiente laboratorial através da monitorização de diversos parâmetros, como eletrocardiograma e oxigenação.

Há uma relação entre apneia do sono e obesidade: ambas condições andam juntas e se retroalimentam. O excesso de peso está entre os principais fatores de risco para desenvolvimento do distúrbio do sono.

Apneia do Sono e Obesidade

Relação entre Apneia do Sono e Obesidade

A associação entre apneia do sono e obesidade tem sido estudada há muitos anos. Com o avanço da medicina e o surgimento de exames diagnósticos (sobretudo a polissonografia), tal hipótese foi esclarecida e confirmada.

O excesso de peso corporal é um dos principais fatores de risco para a síndrome, devido ao acúmulo de gordura que ocorre na região do pescoço. Esse fator provoca o estreitamento da faringe, além de alterar suas propriedades físicas, favorecendo um maior colapso.

Estudos recentes indicam que a apneia do sono, por sua vez, parece influenciar o metabolismo lipídico, fator que contribui para o acúmulo de gordura do paciente.

Trata-se, portanto, de uma relação bilateral: a obesidade contribui para o desenvolvimento da apneia do sono, enquanto esta influencia no acúmulo de gordura, prejudicando a perda de peso.

Compreendendo a associação entre apneia do sono e obesidade, facilmente entende-se que o tratamento desses pacientes deve englobar ações simultâneas e conjuntas para combate de ambas condições.

Apneia do sono e Obesidade – Tratamento

O tratamento para controle da apneia do sono nem sempre requer a utilização de aparelhos. Nos casos em que a doença está associada à obesidade, programas de reeducação alimentar em junção a mudanças de hábitos e prática de exercícios físicos são métodos eficazes no combate à doença.

Entretanto, cada caso contém as suas particularidades e a avaliação de um especialista para orientação do tratamento adequado é fundamental. Afinal, a obesidade é somente um dos diversos fatores desencadeantes da doença.

Apneia do sono e Obesidade –  Prevenção

Sabendo que a obesidade pode desencadear a apneia do sono, a principal forma de prevenção é um estilo de vida saudável, que inclua uma dieta alimentar equilibrada em junção à prática regular de exercícios físicos.

O tabagismo pode influenciar também no desenvolvimento da apneia do sono. Deixar o cigarro de lado e maneirar na ingestão de bebidas alcoólicas são métodos de prevenir a doença, uma vez que tais excessos interferem no ciclo do sono e no relaxamento da musculatura da garganta.

 

Tratamento para Ronco

Estratégias de Tratamento para Ronco

O ronco trata-se de um ruído, que ocorre durante o sono, decorrente de vibrações da mucosa e dos músculos da garganta. Roncar, além de ser um alvo de sátiras populares, pode ser um indício de doenças potencialmente fatais, como a apneia do sono. Neste artigo, vamos abordar as principais estratégias de tratamento para ronco.

Tratamento para Ronco

Quando dormimos, conforme nos aprofundamos no sono, nossos músculos se relaxam mais e mais. Para quem possui predisposição, esse relaxamento causa uma obstrução das vias aéreas, fazendo com que os tecidos vibrem e o ronco seja emitido.

Quando esse quadro se agrava, pode acarretar em uma doença fatal denominada apneia do sono. Esta ocorre quando a obstrução da região afetada se torna total.

Como Identificar o Ronco Incomum

Ao menos uma vez na vida, todas as pessoas já roncaram durante o sono. O ato ocorre naturalmente após um dia excessivamente exaustivo ou após a ingestão de bebidas alcoólicas, por exemplo. Entretanto, quando o ronco é frequente, é importante ficar atento.

Quando o paciente notar que o ronco está presente em todas as suas noites de sono, é importante procurar o médico de sua confiança, que será capaz de diagnosticar se o ronco é ou não um indicativo de prejuízos mais graves à saúde. Médicos especialistas em distúrbios do sono são capazes de realizar esse diagnóstico.

As causas do ronco variam de pessoa para pessoa: pode ter relação com alterações ortodônticas e do esqueleto facial, e até mesmo com obesidade.

Polissonografia é a denominação do exame indicado para investigação do ronco: através deste, é possível identificar a gravidade do distúrbio do sono e se há presença de doenças mais graves no paciente, como a apneia do sono.

Estratégias de Tratamento para Ronco

Após o diagnóstico, o médico poderá prescrever o melhor tratamento para cada caso. É possível livrar-se do ronco seguindo algumas simples estratégias de tratamento para ronco.

  • Perda de Peso

A obesidade é um problema muito sério que afeta diversos brasileiros, e também uma das causas do ronco. Isso ocorre porque a pessoa que tem gordura acumulada no pescoço, em torno da garganta, tem maiores chances de ter a mesma fechada durante o sono, devido ao estreitamento da faringe.

Em alguns dos casos, a perda de peso pode ser eficaz na cura do ronco; em outros, não é suficiente para a resolução do problema.

  • Moderação no Consumo de Bebidas Alcoólicas

O consumo de álcool, principalmente no período noturno, agrava ainda mais o quadro de relaxamento dos músculos durante o sono. Para evitar o relaxamento exagerado dos músculos, a moderação com o consumo de bebidas alcoólicas é uma atitude positiva.

  • Hábitos Saudáveis

Buscar a melhor posição na hora de dormir para evitar o ronco, preferencialmente de lado, assim como evitar dormir com a barriga para cima, podem ajudar no processo.

Evitar a ingestão de alimentos e bebidas alcoólicas três horas antes de dormir, e consumir alimentos leves durante a noite também são métodos positivos no tratamento do ronco.

  • Tratamento de Alergias Respiratórias

Pacientes portadores de alergias respiratórias, como rinite e bronquite alérgica, tendem a roncar durante o sono, pois estão geralmente com o nariz entupido. O ronco pode ser gerado pelo esforço da pessoa para respirar e se desviar da congestão nasal.

A única alternativa nesses casos é o tratamento das alergias respiratórias, para diminuir a intensidade do ronco.

  • Alinhamento dos Dentes

Dentes desalinhados e problemas na arcada dentária são fatores que podem contribuir com o aparecimento do ronco. O caso deve ser tratado com o especialista que identificará a raiz do problema e indicará o melhor tratamento.

  • Aparelho Intraoral

Em alguns casos, o paciente pode necessitar de um aparelho feito pelo dentista especializado em medicina do sono. Contudo, sua utilização não é adequada em todos os casos.

Feito sob medida, na hora de dormir, o aparelho deve ser posicionado ente os dentes superiores e inferiores, de maneira confortável. Através de sua utilização, a mandíbula é reposicionada, assim como toda a musculatura orofaríngea, e assim as vias aéreas são desobstruídas, eliminando totalmente o ronco e a apneia.

  • Cirurgias

Nos casos mais graves de ronco, pode haver necessidade da realização de procedimentos cirúrgicos. Os fatores determinantes da cirurgia ideal variam de pessoa para pessoa; eis a necessidade do diagnóstico de um especialista.

Algumas intervenções cirúrgicas utilizadas no tratamento do ronco são: septoplastia, turbinectomia, amigdaletomia, uvulopalatoplastia, sinusectomia, remoção de pólipos nasais e implantes palatais.

  • CPAP

CPAP trata-se de um aparelho, utilizado pelos pacientes durante o sono, que introduz sob pressão o ar ambiente através de uma máscara facial/nasal. Esse tratamento é indicado apenas em casos mais graves de ronco, principalmente para portadores de apneia do sono, quando nenhum outro tipo de tratamento é acessível.

  • Implantes Estimuladores

Tratamento ainda não disponível no Brasil, os implantes estimuladores são um método mais eficaz e menos incômodo aos pacientes. Eles têm objetivo de evitar o relaxamento excessivo dos músculos da garganta durante o sono.

Conclui-se que são muitas as estratégias de tratamento para ronco, e a indicação varia de acordo com a gravidade de cada caso. A semelhança entre tantos tratamentos é seu objetivo único: elevar a qualidade de vida dos pacientes, aliviando os sintomas do ronco e diminuindo o índice de mortalidade em casos de apneia do sono, por exemplo.

Quem poderá indicar o tratamento ideal para cada paciente é o especialista em distúrbios do sono, após a consulta médica e a realização dos devidos exames para diagnosticar o problema.

Cirurgia Ortognática

A Cirurgia Ortognática no Tratamento dos Distúrbios do Sono

A cirurgia ortognática trata-se de um procedimento que corrige e reposiciona os ossos da mandíbula e, consequentemente, corrige o posicionamento dentário de pessoas que apresentam assimetria óssea na região.

A cirurgia ortognática é segura, assertiva, apresenta alto índice de satisfação e traz resultados positivos para o paciente, elevando sua qualidade de vida e sua autoestima, pois melhora a harmonia da face, além das questões de saúde.

Um fato desconhecido por grande parte da sociedade é a eficácia da cirurgia ortognática no tratamento dos distúrbios do sono, como o ronco e a apneia do sono: pacientes que sofrem desses problemas podem também se beneficiar com a cirurgia.

Cirurgia Ortognática e os Distúrbios Respiratórios do Sono

Existe uma série de distúrbios do sono que afetam diretamente a qualidade de vida do paciente, acarretando, muitas vezes, em sérios prejuízos à sua saúde: o ronco, a Síndrome da Apneia Obstrutiva e a Hipopneia Obstrutiva são alguns desses distúrbios.

Muitas pessoas desenvolvem distúrbios do sono respiratórios devido a problemas no desenvolvimento dos ossos maxilares: disfunções nessa região podem afetar diretamente a qualidade do sono.

O paciente que apresenta retrognatismo (maxilar deslocado para trás) possui um estreitamento das vias aéreas inferiores e, quando está deitado, a passagem de ar nessa região diminui. Essas pessoas tendem a desenvolver distúrbios respiratórios durante o sono, principalmente a Síndrome da Apneia Obstrutiva.

A Síndrome da Apneia Obstrutiva é o distúrbio respiratório do sono mais comum. Caracteriza-se pelo ronco, impedimento completo ou parcial da circulação do ar nas vias aéreas durante o sono e, em alguns casos, sensação de sufocamento e micro paradas respiratórias.

Além da sensação de sonolência durante o dia do portador do distúrbio, por conta de não conseguir ter uma noite de sono plena, as consequências podem ser bem mais graves, tais como desordens cardiovasculares e até mesmo morte súbita.

O diagnóstico da condição é feito baseado no exame de polissonografia e através de investigações clínicas. A apneia do sono pode ser classificada em leve, moderada e grave, e seu tratamento varia de acordo com a gravidade de cada caso.

A Cirurgia Ortognática no Tratamento dos Distúrbios do Sono

A cirurgia ortognática realiza diversas funções quando executada, como correções na mordida, na alteração do esqueleto facial e na respiração.

O procedimento cirúrgico é realizado sempre em ambientes hospitalares, sob anestesia geral; o paciente permanece internado durante um dia, mas a duração da cirurgia é de aproximadamente quatro horas.

O profissional responsável pela execução da cirurgia ortognática para tratamento de distúrbios respiratórios de sono é o cirurgião buco-maxilo-facial.

Quando há obstrução na região respiratória por conta de complicações no crescimento dos ossos maxilares, a cirurgia ortognática deve ser a primeira opção no tratamento, e não reservada estritamente para casos severos.

Benefícios da Cirurgia Ortognática no Tratamento dos Distúrbios do Sono

Além de realizar ajustes estéticos na face do paciente, a cirurgia ortognática é considerada o tratamento cirúrgico mais eficaz para distúrbios respiratórios do sono. Como em qualquer ato cirúrgico, há possibilidade de complicações, mas o índice é muito baixo; na maior parte dos casos os resultados são assertivos.

Atualmente, não há necessidade da realização de cortes externos no rosto durante a cirurgia ortognática: o acesso é intraoral, possibilitando a ausência de cicatrizes.

Todos os movimentos da mandíbula do paciente são preservados, ou seja, o procedimento cirúrgico não deixa nenhuma sequela. Após a cirurgia, o paciente tem capacidade de falar e se alimentar normalmente.

Se você sofre de distúrbios respiratórios do sono, a cirurgia ortognática é capaz de te proporcionar novamente noites de sono plenas, e elevar sua qualidade de vida. Marque uma consulta e tire todas as suas dúvidas.

Falta de Sono

Falta de Sono – Causas e Consequências

Dormir não é apenas um ato prazeroso, mas também uma necessidade humana. Adormecer e sonhar ainda são atos enigmáticos desde o princípio da humanidade; enquanto dormimos, nossos corpos mantêm-se ativos, assim como nossa mente e todas nossas funções vitais – exceto as funções relacionadas à consciência plena. Veja neste artigo quais são as causas e consequências da falta de sono à sua saúde.

Falta de Sono

Falta de Sono

Existe uma quantidade habitual de horas de sono: oito horas por noite. No entanto, não são todos que se adaptam a esse tempo. Algumas pessoas sentem-se satisfeitas e renovadas dormindo quatro horas por noite. Outras, não se sentem satisfeitas dormindo por menos de nove horas. O fato é que, diariamente, boa parte da população sofre com a falta de sono.

A quantidade de horas de sono varia com o passar do tempo, hábitos e características de cada pessoa. Quando recém-nascidos, precisamos de um longo período de sono; entretanto, conforme envelhecemos, esse período diminui e nos habituamos com poucas horas de sono.

Sintomas da Falta de Sono

Ao menos uma vez na vida você já passou pela experiência de dormir menos horas que o suficiente. Consequentemente, surgem sensações de cansaço, dores de cabeça, náuseas, tonturas, falta de concentração, lentidão das atividades mentais e até mesmo sensação de irrealidade.

Os sintomas agravam-se conforme o tempo sem dormir se prolonga: visão turva, dores musculares, enfraquecimento do sistema muscular, tremores, aumento dos níveis de colesterol, problemas de memória, ansiedade, depressão, enxaqueca, alucinações e aumento da pressão arterial são alguns deles.

Falta de Sono – Causas

A falta de sono afeta grande parte da população, que encontra dificuldades em dormir e/ou permanecer dormindo durante o tempo suficiente. As causas mais comuns dessa privação são: estresse, exigências da vida acadêmica/profissional e maus hábitos de sono. Pode ser causada também por distúrbios psiquiátricos e até mesmo doenças.

Na maioria das vezes, a falta de sono tem relação com maus hábitos, tais como: uso de aparelhos eletrônicos, consumo de alimentos estimulantes e realização de atividades agitadas pouco antes de dormir.

O estresse mental também está relacionado à falta de sono. No nosso cotidiano, problemas em casa, no trabalho e na vida acadêmica, entre outras situações que gerem exaustão podem impedir uma noite de sono satisfatória. As insônias causadas por estresse geralmente são curtas.

Pessoas que trabalham em turnos e não tem horário definido para dormir e acordar costumam ser vítimas da falta de sono, assim como viajantes, mulheres grávidas ou que estão na fase da menopausa, idosos, usuários de drogas, etc.

Existem muitas causas para este problema, desde o ambiente onde se dorme e hábitos inadequados, até transtornos mentais e outras condições médicas, como transtornos hormonais, problemas respiratórios, dores crônicas, entre outras. A utilização de alguns medicamentos também pode estar relacionada com a privação do sono.

Falta de Sono – Consequências

Dormir o suficiente é um dos pilares para a boa saúde e qualidade de vida da população. Isso inclui a duração, continuidade e profundidade do sono. A privação dessa necessidade pode acarretar consequências altamente prejudiciais à saúde física e mental, como doenças cardiovasculares, câncer, diabetes e depressão.

A falta de sono muitas vezes vem relacionada à obesidade, má-alimentação e diabetes. Isso ocorre porque grande parte das pessoas que dormem pouco, alimentam-se mal. Dormir menos que o necessário aumenta o apetite e a resistência à insulina, além de afetar a regulação do metabolismo, principalmente em crianças.

Transtornos Físicos, Mentais e Comportamentais

Dormir pouco pode causar transtornos físicos, mentais e comportamentais. Pessoas que sofrem de problemas psicológicos, ansiedade e depressão são alvos de falta de sono, assim como, pessoas que sofrem de privação de sono tem tendem a ter sua saúde mental afetada: é um ciclo vicioso.

A probabilidade de sofrer um acidente aumenta à medida que as horas de sono diminuem: um em cada cinco acidentes tem relação com a falta de sono. Além do risco de sofrer acidentes no trânsito ao dormir no volante, a privação do sono te expõe a outros riscos, como acidentes domésticos, entre outros.

Outra consequência da falta de sono é o impacto no rendimento físico. Uma boa noite de sono é necessária para que haja energia durante o dia, para realização das nossas atividades cotidianas. Se não há descanso durante a noite, o processo de regeneração de tecidos cerebrais e físicos é prejudicado, afetando o rendimento intelectual e físico.

A ausência de sono gera diversos impactos negativos sobre a saúde, em curto e longo prazo, na capacidade de atenção, memória e aprendizagem das pessoas (perda cognitiva). Além de todos os problemas citados, ela pode causar também a diminuição da libido, prejuízos à saúde da pele, etc.

A importância de dormir oito horas por noite frequentemente é subestimada, quando, na realidade, deveria ser encarada seriamente pela sociedade, devido à gravidade das consequências que a ausência desse hábito pode acarretar.