Horário de Atendimento:

8:00h - 20:00h

  • pt-br

Telefone:

(11) 5573-1970

Dia Mundial da Voz

Dia Mundial da Voz – Como Evitar a Disfonia

Hoje, 16 de abril, comemoramos o Dia Mundial da Voz.

Dia Mundial da Voz

A voz é uma ferramenta primordial de comunicação entre os seres humanos, e carrega traços de personalidade, gênero, faixa etária e estado emocional de cada um, além de enriquecer a transmissão de uma mensagem ou um sentimento.

Para os profissionais da voz, ou seja, aqueles que fazem uso constante da voz em sua vida profissional, o recurso representa muito mais do que uma ferramenta de comunicação: trata-se de um instrumento indispensável de trabalho.

No caso dos profissionais que utilizam sua voz como ferramenta de trabalho, é fundamental que sua voz seja bem projetada, com uma articulação precisa, sonoridade, ritmo e velocidade adequados, para expressar seus pensamentos com clareza.

Professores, cantores, atores, apresentadores, repórteres, operadores de telesserviços, secretárias, médicos, entre outros profissionais, sem dúvida, estão mais expostos a alterações na propagação da voz, e os mesmos são os principais interessados em manter sua integridade.

Neste dia Mundial da Voz, vamos abordar como os profissionais que utilizam a voz podem evitar a disfonia e cuidar melhor da saúde vocal.

Dia Mundial da Voz e Disfonia

A disfonia trata-se de qualquer alteração na emissão vocal que limite, dificulte ou impeça a propagação natural da voz. Entre os tipos mais comuns de disfonias estão o cansaço vocal, rouquidão e dificuldade para projetar a voz.

No caso dos profissionais da voz, a disfonia está na categoria etiológica funcional, uma vez que as alterações vocais são consequência do uso inadequado ou abusivo da própria voz.

A disfonia é consequência da demanda vocal excessiva presente na carga horária destes profissionais, aliada ao uso prolongado da voz, acúmulo de funções, ritmo de trabalho estressante, exposição a fatores inapropriados do ambiente, entre outros.

O sintoma de disfonia pode impactar negativamente no rendimento profissional do indivíduo. Existem alguns cuidados que devem ser adotados pelos profissionais da voz para evitar a disfonia e evitar que esta prejudique sua ferramenta básica de trabalho.

Dia Mundial da Voz – Como Evitar a Disfonia

Para manter a integridade, saúde e funcionalidade da voz, sobretudo dos profissionais que utilizam a mesma como ferramenta de trabalho, existem alguns métodos de prevenção que evitam o surgimento de disfonias.

Alguns destes métodos são comuns para todos os profissionais da voz, tais como limitar o tempo diário de uso da voz, exercitá-la com regularidade, realizar intervalos periódicos durante a jornada de trabalho, manter os hábitos de higiene vocal diários, entre outros.

  • Hidratação

Um dos métodos de prevenir e tratar a disfonia é manter o corpo hidratado: um organismo bem hidratado favorece maior lubrificação da laringe, fator que exige menor esforço à fonação e, consequentemente, melhora a produção vocal.

A recomendação dos especialistas é ingerir dois litros de água diariamente. O hábito de beber água não deve anteceder somente o exercício profissional, e sim, ser algo presente no cotidiano.

Todos os profissionais da voz devem ter acesso à água no ambiente de trabalho; conhecendo os benefícios que a ingestão regular de água oferece à sua saúde vocal, os profissionais passam a utilizá-la como método preventivo da disfonia.  

  • Uso de Microfone nas Salas de Aula

Aproximadamente 95% dos professores sofrem de pelo menos uma das alterações vocais, tais como: rouquidão, ardência, cansaço, sequidão, sensação de corpo estranho e falhas na voz. Cerca de 72% dos professores são considerados disfônicos.

Um método eficaz de prevenção contra a disfonia nos professores é o uso de microfone nas salas de aula, para que o esforço em propagar a voz seja menor. Entretanto, a maioria das escolas e universidades não oferecem esta infraestrutura aos seus funcionários.

  • Hábitos Alimentares

Os hábitos alimentares também podem favorecer um quadro de disfonia: quando mal balanceada, a dieta pode afetar a voz, devido à passagem do suco gástrico para a faringe e a laringe.

Para evitar a laringite, as pessoas devem evitar laticínios, chocolates, alimentos condimentados, gordurosos e café antes do exercício profissional da voz.

Profissionais da Voz e Disfonia – Buscando Ajuda Médica

Professores, cantores e todos os demais profissionais da voz devem procurar ajuda médica diante da manifestação da disfonia. O profissional especializado em diagnosticar e tratar os distúrbios de comportamento vocal é o médico otorrinolaringologista.

Não exite em buscar ajuda médica! Somente o especialista saberá prescrever com propriedade o tratamento adequado e as orientações corretas para que a disfonia dê espaço ao uso saudável da voz.

O que é Laringoscopia?

O que é Laringoscopia? Conheça Melhor o Exame

A laringoscopia trata-se de um exame relativamente simples que permite que o médico observe as vias aéreas superiores (nariz, laringe e faringe) do paciente através de um aparelho endoscópico, denominado laringoscópio.

O procedimento é utilizado principalmente no diagnóstico de problemas da laringe (via aérea responsável pela produção do som), função que deu origem ao termo. O exame também permite o controle da evolução de algumas cirurgias e patologias.

Além dessas utilidades, a laringoscopia pode ser útil na realização de intervenções de cunho terapêutico, tais como: retirada de pólipos, nódulos e corpos estranhos, cauterização de lesões vasculares e dilatação de estreitamentos.

O que é Laringoscopia?

O que é Laringoscopia 

Existem dois tipos de aparelhos diferentes para a realização da laringoscopia: um deles é um aparelho rígido, geralmente introduzido pela boca do paciente. O outro é de um aparelho flexível que consiste em um fino tubo de fibras óticas, introduzido pelo nariz (nasolaringoscopia).

A semelhança entre o laringoscópio rígido e flexível é que ambos possuem em sua extremidade uma minicâmera que detecta imagens do interior das vias aéreas superiores do paciente e permite que o profissional as visualize, seja por via direta ou através de um monitor de vídeo.

Quando a visualização se dá por vídeo, o exame recebe a denominação de videolaringoscopia ou videonasolaringoscopia.

O que é Laringoscopia – Como Funciona o Procedimento

A laringoscopia não exige preparamento prévio – exceto jejum absoluto de oito horas antecedentes ao exame – e não impede o paciente de retornar às suas atividades cotidianas após o exame.

O procedimento é realizado em ambiente ambulatorial e tem duração média de 5 a 10 minutos. O paciente permanece sentado durante todo o procedimento, apenas com a língua para fora da boca, se for o caso.

As regiões da faringe e da laringe são previamente anestesiadas (geralmente com spray anestésico)  e então o laringoscópio é introduzido via oral ou nasal, e direcionado à região que será examinada.

A introdução do aparelho não costuma causar grandes incômodos aos pacientes. Porém, em alguns casos, o procedimento pode provocar reações apesar da anestesia, tais como: espirros, tosses, náuseas, vômitos, rouquidão passageira, inflamação e inchaço da garganta.

O exame não se restringe a nenhuma idade, mas a laringoscopia via oral exige certa colaboração do paciente, que só é possível de ser obtida a partir dos 12 ou 13 anos de idade.

Dependendo da resistência do paciente, o médico pode optar em realizar o exame de laringoscopia com o paciente sedado, principalmente nos casos de crianças.

O que é Laringoscopia – Indicações

A laringoscopia é uma ferramenta útil no diagnóstico de lesões orgânicas ou funcionais localizadas na cavidade oral,  oral, orofaringe, hipofaringe, laringe e cordas vocais. O exame é solicitado nos casos de pacientes que apresentam:

  • Rouquidão ou disfonia prolongadas;
  • Tosse crônica ou acompanhada de sangue;
  • Dificuldade/dor para engolir ou mastigar;
  • Surgimento de aftas com frequência;
  • Refluxo gastroesofágico;
  • Dor de garganta crônica;
  • Suspeita de câncer;
  • Tabagismo crônico;
  • Sensação de possuir um caroço na garganta;
  • Histórico familiar de câncer de cabeça ou pescoço.

O que é Laringoscopia – Contraindicações

O exame de laringoscopia quase não possui contraindicações. Cabe ao especialista avaliar as especificidades de cada paciente e restringir o procedimento, quando julgar necessário.

Os pacientes portadores de distúrbios neurológicos, cardiopatias graves, doenças pulmonares crônicas ou alergias aos medicamentos utilizados no exame merecem uma atenção especial em relação ao aconselhamento da laringoscopia.

O que é Laringoscopia – Cuidados Posteriores

Quando se trata do exame simples de laringoscopia, sem sedativo, o paciente pode ser liberado logo após do exame, sem restrição para retornar às suas atividades cotidianas. A única recomendação é que o mesmo permaneça em repouso durante as horas seguintes ao procedimento, mantendo uma alimentação leve.

Já nos casos em que o paciente recebeu o sedativo, este deve aguardar cerca de 30 minutos até o fim do efeito da medicação e contar com um acompanhante para abandonar o ambulatório. Nas 12 horas posteriores ao procedimento, o paciente não deve dirigir ou realizar tarefas complexas e permanecer em repouso absoluto, evitando tossir, respirar e assoar o nariz.

O mais importante é ouvir atentamente as orientações do médico após a realização da laringoscopia, e seguir os cuidados posteriores recomendados.

Rouquidão

Rouquidão – Quando Procurar Ajuda Médica

A rouquidão trata-se da mudança que ocorre no tom ou na qualidade da voz; um tom de voz mais “áspero”, pode-se dizer. Existem dois tipos de rouquidão: a aguda (de curta duração) e a crônica (de longa duração).

Rouquidão

Rouquidão – Saiba Mais

A rouquidão aparece comumente após festas com som alto, principalmente em junção ao uso de cigarro e álcool, ou em profissões que exigem muita comunicação. Esses casos são episódios de rouquidão aguda, geralmente ocasionados pelo cansaço vocal. A voz retorna ao normal dentro de alguns dias, com o descanso e os cuidados necessários.

Entretanto, mesmo esses episódios de rouquidão devem ser encarados como anormalidades do corpo, e não como uma simples casualidade passageira. Existem algumas condições médicas graves que desencadeiam a rouquidão constante, podendo vir acompanhadas inclusive de sintomas como tosse, dor, pigarro, sangue, dificuldade para respirar ou engolir, entre outros.

Causas da Rouquidão

A rouquidão representa um mau funcionamento da laringe que, através da vibração das cordas vocais, emite o som. O uso indevido da voz (como nos exemplos citados acima) pode gerar inflamação nas cordas vocais e, consequentemente, a rouquidão.

Porém, quando a condição é recorrente ou acompanhada de outros sintomas, pode ser um sinal de alerta de doenças mais graves, tais como:

  • Doença das Vias Aéreas Superiores

As vias aéreas nasais são estruturas constituídas pelas cavidades nasais, faringe e laringe. Toda e qualquer condição que acometa essa região – geralmente gripes, resfriados, alergias e inflamações virais/bacterianas – e cause algum tipo de irritação e/ou dor na garganta, pode ocasionar a rouquidão.

  • Refluxo Faringo-Laríngeo (RFL)

O refluxo é um ácido do estômago que geralmente que afeta o exôfago. Porém, em casos mais graves e não tratados, a condição pode afetar a faringe e a laringe, provocando irritação e dor na região devido à nocividade da substância à garganta. Esses sintomas vêm acompanhados ainda de tosse seca, pigarro e rouquidão.

  • Papilomatose laríngea

A papiloma de laringe é uma enfermidade causada pela infecção por HPV, que acarreta tumores benignos na região da laringe.

O sintoma inicial da doença é a rouquidão e a alteração da voz, e em casos mais extremos a papiloma pode até mesmo vir a bloquear as vias respiratórias, de acordo com sua progressão, podendo levar o paciente a dificuldades respiratórias intensas.

  • Câncer de Laringe

São muitos os fatores que podem ocasionar o câncer de laringe, entre eles: falta de cuidado com a garganta, lesões nas cordas vocais, refluxo faringo-laríngeo e papiloma de laringe. O tumor pode se encontrar em diferentes regiões, mas, quando localizado nas cordas vocais, a rouquidão é o primeiro sintoma que se manifesta.

  • Outras Causas

Além das citadas acima, existem outras condições podem desencadear a rouquidão, tais como: alergias, inalação de substâncias irritantes, tosse crônica, aneurismas da aorta superior, broncoscopia, dano aos nervos ligados à voz, tireoide pouco ativa, nódulo nas cordas vocais, fraqueza dos músculos em torno da laringe, consumo excessivo de cigarro e/ou álcool e puberdade.

Rouquidão – Quando Procurar Ajuda Médica

Caso a rouquidão seja recorrente ou venha acompanhada de outros sintomas, como dificuldade em respirar ou engolir, muita salivação, ou se o paciente for um bebê com menos de três meses, deve-se procurar ajuda médica. O especialista será capaz de diagnosticar a causa da rouquidão e prescrever o tratamento adequado.

Se trata de uma plataforma moderada por Dr. Arturo Frick Carpes, Dr. José Antonio Pinto e Dra. Heloisa dos Santos. Todos os moderadores citados são responsáveis pela produção, edição, adaptação e curadoria dos textos presentes neste site, além de sua manutenção financeira. Este site é orientado ao público leigo e seu conteúdo é somente de intento informativo e pode não ser adequado a todos usuários. O conteúdo deste site não substitui o médico. Todos devem sempre consultar seu médico antes de tomar qualquer decisão com respeito à sua saúde. Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie. Este site não hospeda ou recebe financiamento de publicidade ou exibição de conteúdo comercial. Política de Banners: Não temos publicidade e não fazemos trocas de Banner ou Display. Missão Do Site: prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade.Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada. Os comentários são visíveis a todos. Podem ser alterados ou apagados.