Horário de Atendimento:

8:00h - 20:00h

Telefone:

(11) 5573-1970

disturbios-sono

Distúrbios do Sono na Menopausa

Os distúrbios do sono costumam ser mais frequentes entre mulheres: a Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo afirma que há uma diferença de 30% de incidência entre mulheres e homens. A chegada da menopausa, que ocorre em torno dos 50 anos da mulher, pode potencializar esse problema.

A menopausa é a fase da vida das mulheres que corresponde à interrupção de sua etapa fértil, quando os ovários deixam de produzir o principal hormônio feminino, denominado estrogênio. É o período de 12 meses após a última menstruação espontânea da mulher, que marca a transição entre seu período reprodutivo e não-reprodutivo.

Após a menopausa, muitas mulheres passam a apresentar distúrbios do sono, e no caso das que já apresentavam dificuldades para dormir, as queixas tornam-se mais prevalentes.

disturbios-sono

Distúrbios do Sono na Menopausa

A menopausa é um marco de muitas mudanças na vida da mulher, incluindo sua saúde geral e seu perfil de doenças.

Estudos evidenciam que mulheres na menopausa apresentam uma dificuldade maior para dormir, assim como para manter o sono, fatores que minimizam, assim, sua eficiência. A má qualidade do sono pode comprometer suas atividades cotidianas, seu bem-estar mental e físico durante o dia e, consequentemente, sua qualidade de vida.

O aumento dos distúrbios do sono decorrente da menopausa deve-se às mudanças hormonais que ocorrem nesta fase. A mulher nasce com um “estoque” de óvulos que produzirá ao longo de toda a vida. Quando este estoque acaba, os hormônios que até então eram produzidos pelos ovários (progesterona e estrogênio) também sofrem um declínio.

O neurologista Álvaro Pentagna, do Ambulatório de Sono no Adulto do Hospital das Clínicas da USP, explica que a redução destes hormônios origina distúrbios que prejudicam a qualidade do sono da mulher, como a insônia:

“A progesterona é um hormônio que tem o potencial de fazer a pessoa ter mais sono, é como se fosse um indutor de sono. A mulher que engravida, por exemplo, tem o nível de progesterona aumentado, por isso sente aquele monte de sono no início da gestação. Na menopausa acontece o contrário. A progesterona cai e piora a qualidade do sono da mulher”.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Apneia do Sono

O hormônio progesterona possui uma propriedade protetora das vias aéreas respiratórias. Quando deixa de ser produzido, a mulher torna-se mais vulnerável ao desenvolvimento de distúrbios respiratórios associados ao sono, como a apneia obstrutiva do sono.

A apneia do sono caracteriza-se pela obstrução completa do fluxo de ar pelo nariz ou pela boca, que ocorre durante o sono. Além de minimizar a concentração de oxigênio no sangue, a paciente de apneia do sono sofre de despertares frequentes durante a noite, que provocam cansaço, fadiga e sonolência durante o dia, baixa produtividade no trabalho e perdas em suas interações sociais.

A fragmentação do sono decorrente da apneia pode gerar uma série de danos graves à saúde da mulher, tais como: anemia, distúrbios renais, aumento da pressão arterial, distúrbios metabólicos e cardiovasculares, neuropatias e síndromes demenciais.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Fogachos

O cenário de diminuição dos hormônios estrogênio e testosterona, devido à menopausa, leva a mulher a outra condição prejudicial ao sono: os fogachos.

Os fogachos, como são chamadas as famosas ondas de calor que marcam a menopausa, provocam desconforto à mulher e fragmentam seu sono, uma vez que fazem com que ela acorde diversas vezes durante a noite por conta das mudanças de temperatura.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Mudanças de Humor

Problemas emocionais decorrentes da menopausa, como as mudanças de humor, também contribuem para um quadro de insônia. As alterações de humor marcam predominantemente o início da menopausa, a fase de interrupção dos ciclos menstruais.

Nesta fase, é comum que a mulher enfrente mudanças de humor, depressão, ansiedade, condições que favorecem o desenvolvimento de distúrbios do sono na menopausa.

Além disso, os distúrbios emocionais somam-se à condição social, que muitas vezes não vai bem. Problemas no casamento, filhos saindo de casa, o ponto de vista do envelhecimento… são muitos os fatores que podem afetar o aspecto emocional da mulher e colaboram para a má qualidade de seu sono.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Buscando Ajuda Médica

Você está enfrentando distúrbios do sono na menopausa e não sabe como combatê-los? Não hesite em buscar ajuda de um médico especialista em sono, e siga suas orientações para melhorar suas noites de sono.

Certamente, bons hábitos de saúde, tais como a prática regular de exercícios físicos e uma dieta alimentar equilibrada, aliados ao acompanhamento médico adequado, são fundamentais no combate aos distúrbios do sono na menopausa. Durma melhor, marque uma consulta com um médico do sono!

Distúrbios Emocionais

Distúrbios Emocionais e Insônia – Compreenda a Relação

Estima-se que cerca de 80 milhões de brasileiros sofram com a insônia, distúrbio do sono caracterizado por dificuldades para dormir, despertares frequentes durante a noite e má qualidade do sono.  

A insônia trata-se de um transtorno resultante da interação de fatores físicos, biológicos, genéticos, sociais, psiquiátricos e emocionais. A emoção possui um efeito muito poderoso sobre a química do cérebro e o sono.

Distúrbios Emocionais

Distúrbios Emocionais e Insônia

Distúrbios emocionais, tais como desequilíbrio, traumas, ansiedade, depressão, mudanças de hábitos, perda de emprego, luto e preocupações são fatores que podem influenciar no surgimento de um quadro de insônia e até mesmo no desenvolvimento da insônia crônica.

A insônia, entre outros distúrbios do sono em geral que privem o indivíduo de noites de sono reparadoras, têm potencial de danificar o cérebro, em especial as regiões relacionadas às emoções e à consciência.

Trata-se, portanto, de uma relação bilateral: da mesma forma que os distúrbios de cunho emocional podem ocasionar um quadro de insônia, o distúrbio do sono pode também culminar em problemas emocionais e psiquiátricos no paciente.

Distúrbios Emocionais e Insônia – Compreenda a Relação

Existe uma relação entre distúrbios emocionais e insônia: aproximadamente 40% das pessoas que apresentam insônia crônica sofrem de problemas emocionais ou psiquiátricos, incluindo estresse, depressão, bipolaridade, ansiedade, pânico, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e paranoia.

É importante saber que a insônia não é um distúrbio aleatório: sua origem remete ao histórico e ao estilo de vida do paciente, inclusive no âmbito emocional e psicológico.

Qualquer mudança significativa no estado emocional do indivíduo pode contribuir para um quadro de insônia aguda. Preocupação, tristeza, medo, alegria e exaltação são estados que alteram a química do cérebro e provocam interrupções e perturbações no sono.

Pesquisas indicam que pacientes que sofrem de insônia apresentam lesões concentradas no hemisfério direito do cérebro, responsável pelas emoções, além de redução na integridade da região responsável pela regulação da consciência, do sono e do estado de alerta.

Distúrbios Emocionais e Insônia – Tratamento

Sabendo que a relação entre distúrbios emocionais e insônia é bilateral, um bom tratamento para o distúrbio do sono deve ser voltado também ao estado emocional do paciente, e vice-versa. Compreender qual é a causa da insônia é um fator determinante na eficácia do tratamento e do combate definitivo da doença.

Um hábito comum entre pessoas que sofrem de insônia é a ingestão de medicamentos para dormir sem prescrição médica. Essa conduta pode trazer prejuízos ainda maiores à saúde do paciente e agravar o quadro do distúrbio do sono.

O primeiro passo do tratamento da insônia é identificar a causa da desordem do sono, e trabalhar a base do problema. Sessões de psicoterapia podem ajudar no tratamento: a evolução do quadro emocional do paciente tende a minimizar os sintomas do distúrbio.

Em alguns casos, é necessário aliar o acompanhamento psiquiátrico ao tratamento da insônia, quando os especialistas julgam necessária a introdução de medicamentos em conjunto à intervenção psicoterapêutica.

Existem outros métodos de tratar os distúrbios emocionais e, consequentemente, tratar a insônia, tais como: meditação, visualização, relaxamento, terapia cognitivo-comportamental (TCC), treinamento autógeno, biofeedback, hipnose, respiração compassada, relaxamento muscular progressivo e tratamento homeopático clássico.

Pare de sofrer com a insônia! Procure um médico do sono e dê início à investigação para identificar a causa da desordem. Ele prescreverá o tratamento adequado de acordo com suas especificidades. Evite a automedicação.