Horário de Atendimento:

8:00h - 20:00h

Telefone:

(11) 5573-1970

disfuncao-eretil

Disfunção Erétil na Apneia do Sono

A apneia do sono é um distúrbio caracterizado pela ocorrência frequente de obstrução da via aérea superior durante o sono. A condição pode acarretar em múltiplas consequências clínicas, incluindo alterações na regulação neural, hormonal e vascular, que favorecem o desenvolvimento de um quadro de DE (Disfunção Erétil).

Disfunção erétil é o termo empregado para a incapacidade consistente em obter ou manter uma ereção peniana que conceda uma relação sexual efetiva. A incidência da condição se dá sobre homens, sobretudo na faixa etária dos 40 aos 69 anos.

Uma pesquisa, realizada por um grupo de estudiosos e divulgada na Revista Portuguesa de Pneumologia, analisou uma amostra de indivíduos com apneia do sono, com objetivo de determinar a prevalência da disfunção erétil nestes pacientes.

disfuncao-eretil

Disfunção Erétil na Apneia do Sono

No estudo, foram incluídas 62 pessoas do sexo masculino, com idade média de 52 anos e com diagnóstico recente de SAOS (Síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono). Eles preencheram um questionário composto por cinco questões relativas à função erétil e satisfação.

A pontuação obtida no questionário do estudo varia de 5 a 25, e compreende as classificações de disfunção erétil em cinco categorias: ausente, leve, leve à moderada, moderada e grave.

Todos os participantes da pesquisa foram submetidos a exames que calculam o número de episódios de apneia, assim como o índice de dessaturação de oxigênio por hora de sono.

Disfunção Erétil na Apneia do Sono – Resultados do estudo

Os resultados do estudo evidenciaram que diversos fatores se associam à disfunção erétil nos pacientes de apneia do sono, incluindo faixa etária, diabetes, obesidade, tabagismo, alcoolismo, hipertensão arterial, determinados tipos de medicação e antecedentes clínicos pessoais (como a ocorrência de um AVC, por exemplo).

Estima-se que a prevalência de disfunção erétil em pacientes com apneia é de 64,4%, sendo leve em 38,7%, de leve a moderada em 17,7%, moderada em 3,2% e grave em 4,8%.

O envelhecimento é um dos fatores mais determinantes na agravação do quadro de DE. Os grupos que apresentam algum dos fatores de risco citados estão diretamente associados aos episódios mais severos de disfunção erétil na apneia do sono.

Os resultados da pesquisa constataram também que a prevalência de disfunção erétil é maior no grupo de pacientes com quadros mais avançados de apneia do sono.

Disfunção Erétil na Apneia do Sono – Buscando Ajuda Médica

A disfunção erétil é uma condição mais comum do que se pensa entre os pacientes de apneia do sono; entretanto, muitos escondem e subestimam o problema devido ao constrangimento e à dificuldade em aceitar a condição e buscar ajuda médica.

Existem tratamentos disponíveis e eficazes relacionados à disfunção erétil na apneia do sono. Não deixe que o constrangimento te impeça de buscar ajuda médica, e não tenha medo do diagnóstico; quanto antes a condição for detectada, melhor será seu prognóstico.

Se você sofre de disfunção erétil na apneia do sono, não hesite em marcar uma consulta com o médico do sono de sua confiança. O tratamento da apneia do sono promove uma melhora no quadro de DE.

disturbios-sono

Distúrbios do Sono na Menopausa

Os distúrbios do sono costumam ser mais frequentes entre mulheres: a Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo afirma que há uma diferença de 30% de incidência entre mulheres e homens. A chegada da menopausa, que ocorre em torno dos 50 anos da mulher, pode potencializar esse problema.

A menopausa é a fase da vida das mulheres que corresponde à interrupção de sua etapa fértil, quando os ovários deixam de produzir o principal hormônio feminino, denominado estrogênio. É o período de 12 meses após a última menstruação espontânea da mulher, que marca a transição entre seu período reprodutivo e não-reprodutivo.

Após a menopausa, muitas mulheres passam a apresentar distúrbios do sono, e no caso das que já apresentavam dificuldades para dormir, as queixas tornam-se mais prevalentes.

disturbios-sono

Distúrbios do Sono na Menopausa

A menopausa é um marco de muitas mudanças na vida da mulher, incluindo sua saúde geral e seu perfil de doenças.

Estudos evidenciam que mulheres na menopausa apresentam uma dificuldade maior para dormir, assim como para manter o sono, fatores que minimizam, assim, sua eficiência. A má qualidade do sono pode comprometer suas atividades cotidianas, seu bem-estar mental e físico durante o dia e, consequentemente, sua qualidade de vida.

O aumento dos distúrbios do sono decorrente da menopausa deve-se às mudanças hormonais que ocorrem nesta fase. A mulher nasce com um “estoque” de óvulos que produzirá ao longo de toda a vida. Quando este estoque acaba, os hormônios que até então eram produzidos pelos ovários (progesterona e estrogênio) também sofrem um declínio.

O neurologista Álvaro Pentagna, do Ambulatório de Sono no Adulto do Hospital das Clínicas da USP, explica que a redução destes hormônios origina distúrbios que prejudicam a qualidade do sono da mulher, como a insônia:

“A progesterona é um hormônio que tem o potencial de fazer a pessoa ter mais sono, é como se fosse um indutor de sono. A mulher que engravida, por exemplo, tem o nível de progesterona aumentado, por isso sente aquele monte de sono no início da gestação. Na menopausa acontece o contrário. A progesterona cai e piora a qualidade do sono da mulher”.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Apneia do Sono

O hormônio progesterona possui uma propriedade protetora das vias aéreas respiratórias. Quando deixa de ser produzido, a mulher torna-se mais vulnerável ao desenvolvimento de distúrbios respiratórios associados ao sono, como a apneia obstrutiva do sono.

A apneia do sono caracteriza-se pela obstrução completa do fluxo de ar pelo nariz ou pela boca, que ocorre durante o sono. Além de minimizar a concentração de oxigênio no sangue, a paciente de apneia do sono sofre de despertares frequentes durante a noite, que provocam cansaço, fadiga e sonolência durante o dia, baixa produtividade no trabalho e perdas em suas interações sociais.

A fragmentação do sono decorrente da apneia pode gerar uma série de danos graves à saúde da mulher, tais como: anemia, distúrbios renais, aumento da pressão arterial, distúrbios metabólicos e cardiovasculares, neuropatias e síndromes demenciais.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Fogachos

O cenário de diminuição dos hormônios estrogênio e testosterona, devido à menopausa, leva a mulher a outra condição prejudicial ao sono: os fogachos.

Os fogachos, como são chamadas as famosas ondas de calor que marcam a menopausa, provocam desconforto à mulher e fragmentam seu sono, uma vez que fazem com que ela acorde diversas vezes durante a noite por conta das mudanças de temperatura.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Mudanças de Humor

Problemas emocionais decorrentes da menopausa, como as mudanças de humor, também contribuem para um quadro de insônia. As alterações de humor marcam predominantemente o início da menopausa, a fase de interrupção dos ciclos menstruais.

Nesta fase, é comum que a mulher enfrente mudanças de humor, depressão, ansiedade, condições que favorecem o desenvolvimento de distúrbios do sono na menopausa.

Além disso, os distúrbios emocionais somam-se à condição social, que muitas vezes não vai bem. Problemas no casamento, filhos saindo de casa, o ponto de vista do envelhecimento… são muitos os fatores que podem afetar o aspecto emocional da mulher e colaboram para a má qualidade de seu sono.

Distúrbios do Sono na Menopausa – Buscando Ajuda Médica

Você está enfrentando distúrbios do sono na menopausa e não sabe como combatê-los? Não hesite em buscar ajuda de um médico especialista em sono, e siga suas orientações para melhorar suas noites de sono.

Certamente, bons hábitos de saúde, tais como a prática regular de exercícios físicos e uma dieta alimentar equilibrada, aliados ao acompanhamento médico adequado, são fundamentais no combate aos distúrbios do sono na menopausa. Durma melhor, marque uma consulta com um médico do sono!

Álcool e Apneia do Sono

Consumo de Álcool e a Apneia do Sono

A apneia do sono caracteriza-se por ruídos e interrupções na respiração do paciente, que repetem-se ao menos cinco vezes durante o sono.

Conhecida predominantemente pelo ronco que provoca, a condição é responsável por uma lista extensa de sintomas potencialmente graves, que afetam significativamente a qualidade de vida dos pacientes. Estima-se que cerca de 30% da população brasileira adulta sofre de apneia do sono.

Pacientes que sofrem de apneia do sono têm agravada a oxigenação de seu sangue (a quantidade de sangue que foi oxigenada após passar pelo pulmão) devido ao consumo de álcool.

O consumo frequente de bebidas alcoólicas, mesmo que em níveis moderados, potencializa a gravidade do distúrbio do sono, sobretudo quando aliado a outros fatores de risco, como a obesidade e o tabagismo.

Álcool e Apneia do Sono

Consumo de Álcool e a Apneia do Sono

Segundo um estudo britânico realizado pelo Centro do Sono de Londres, o consumo de bebidas alcoólicas prejudica os ciclos do sono e pode ocasionar danos graves à saúde quando consumido usualmente antes de dormir, como a apneia do sono.

Embora o consumo de álcool diminua o tempo necessário para cair do primeiro sono, ele pode anular o ciclo do sono responsável pelo maior descanso do indivíduo, o sono REM, no qual ocorrem os nossos sonhos.

Apesar da existência de muitos defensores das doses moderadas de álcool antes de dormir – em algumas clínicas e asilos, inclusive, elas são servidas regularmente aos pacientes -, é necessário ter cautela em relação à ingestão destas bebidas.

Segundo Irshaad Ebrahim, diretor-médico do Centro do Sono de Londres, “devemos tomar muito cuidado com a bebida alcoólica (consumida) regularmente. Um ou dois copos à noite podem ser bons no curto prazo, mas se você continua usando uma dose antes de dormir, poderá causar problemas”.

O especialista afirma que, ao ingerir bebidas alcoólicas, é melhor esperar entre uma hora e meia a duas horas para dormir, até que o efeito do álcool passe.

Você está lendo: “Consumo de Álcool e a Apneia do Sono”.

Consumo de Álcool e Alterações do Sono

A partir do estudo britânico realizado, algumas alterações no sono relacionadas ao consumo de álcool foram identificadas, assim como a relação entre o consumo de álcool e a apneia do sono

Primeiramente, a bebida acelera o início do sono. Em seguida, faz com que a pessoa entre em um sono profundo. Essas alterações assemelham-se às provocadas pelos remédios antidepressivos, e até parecem ser bons efeitos colaterais.

Entretanto, a terceira e última mudança é a prejudicial, e impacta o padrão do sono a partir da segunda metade da noite: o consumo de álcool reduz a duração do sono REM, o ciclo do sono que inclui nossos sonhos.

Os resultados do estudo demonstram que ingerir bebidas alcoólicas antes de dormir não é uma prática saudável, e não é útil para obter uma noite de sono de qualidade. Por mais que a pessoa caia rapidamente no sono profundo, o mesmo é interrompido mais tarde.

Como consequência, o sono torna-se menos repousante, pode gerar ronco e até mesmo interrupções na respiração do paciente, configurando um quadro de apneia do sono. Além disso, o álcool deixa a pessoa desidratada e comumente ela tem de levantar para ir ao banheiro durante a noite.

No caso dos pacientes que já sofrem com a apneia do sono, a recomendação é evitar o consumo de álcool, uma vez que o mesmo tem potencial de agravar o quadro do transtorno, além de desconfigurar ainda mais seus padrões de sono.

Distúrbios Emocionais

Distúrbios Emocionais e Insônia – Compreenda a Relação

Estima-se que cerca de 80 milhões de brasileiros sofram com a insônia, distúrbio do sono caracterizado por dificuldades para dormir, despertares frequentes durante a noite e má qualidade do sono.  

A insônia trata-se de um transtorno resultante da interação de fatores físicos, biológicos, genéticos, sociais, psiquiátricos e emocionais. A emoção possui um efeito muito poderoso sobre a química do cérebro e o sono.

Distúrbios Emocionais

Distúrbios Emocionais e Insônia

Distúrbios emocionais, tais como desequilíbrio, traumas, ansiedade, depressão, mudanças de hábitos, perda de emprego, luto e preocupações são fatores que podem influenciar no surgimento de um quadro de insônia e até mesmo no desenvolvimento da insônia crônica.

A insônia, entre outros distúrbios do sono em geral que privem o indivíduo de noites de sono reparadoras, têm potencial de danificar o cérebro, em especial as regiões relacionadas às emoções e à consciência.

Trata-se, portanto, de uma relação bilateral: da mesma forma que os distúrbios de cunho emocional podem ocasionar um quadro de insônia, o distúrbio do sono pode também culminar em problemas emocionais e psiquiátricos no paciente.

Distúrbios Emocionais e Insônia – Compreenda a Relação

Existe uma relação entre distúrbios emocionais e insônia: aproximadamente 40% das pessoas que apresentam insônia crônica sofrem de problemas emocionais ou psiquiátricos, incluindo estresse, depressão, bipolaridade, ansiedade, pânico, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e paranoia.

É importante saber que a insônia não é um distúrbio aleatório: sua origem remete ao histórico e ao estilo de vida do paciente, inclusive no âmbito emocional e psicológico.

Qualquer mudança significativa no estado emocional do indivíduo pode contribuir para um quadro de insônia aguda. Preocupação, tristeza, medo, alegria e exaltação são estados que alteram a química do cérebro e provocam interrupções e perturbações no sono.

Pesquisas indicam que pacientes que sofrem de insônia apresentam lesões concentradas no hemisfério direito do cérebro, responsável pelas emoções, além de redução na integridade da região responsável pela regulação da consciência, do sono e do estado de alerta.

Distúrbios Emocionais e Insônia – Tratamento

Sabendo que a relação entre distúrbios emocionais e insônia é bilateral, um bom tratamento para o distúrbio do sono deve ser voltado também ao estado emocional do paciente, e vice-versa. Compreender qual é a causa da insônia é um fator determinante na eficácia do tratamento e do combate definitivo da doença.

Um hábito comum entre pessoas que sofrem de insônia é a ingestão de medicamentos para dormir sem prescrição médica. Essa conduta pode trazer prejuízos ainda maiores à saúde do paciente e agravar o quadro do distúrbio do sono.

O primeiro passo do tratamento da insônia é identificar a causa da desordem do sono, e trabalhar a base do problema. Sessões de psicoterapia podem ajudar no tratamento: a evolução do quadro emocional do paciente tende a minimizar os sintomas do distúrbio.

Em alguns casos, é necessário aliar o acompanhamento psiquiátrico ao tratamento da insônia, quando os especialistas julgam necessária a introdução de medicamentos em conjunto à intervenção psicoterapêutica.

Existem outros métodos de tratar os distúrbios emocionais e, consequentemente, tratar a insônia, tais como: meditação, visualização, relaxamento, terapia cognitivo-comportamental (TCC), treinamento autógeno, biofeedback, hipnose, respiração compassada, relaxamento muscular progressivo e tratamento homeopático clássico.

Pare de sofrer com a insônia! Procure um médico do sono e dê início à investigação para identificar a causa da desordem. Ele prescreverá o tratamento adequado de acordo com suas especificidades. Evite a automedicação.

Nódulos nas Cordas Vocais

Nódulos nas Cordas Vocais – Devo me Preocupar?

Os nódulos nas cordas vocais, conhecidos popularmente como calos nas cordas vocais, tratam-se de lesões de massa benignas, bilaterais, rígidas e simétricas que afetam as pregas vocais.

O surgimento desses nódulos deve-se ao atrito brusco, provocado pelo contato frequente e intenso entre as cordas vocais no processo de produção do som. A causa mais comum desse atrito brusco é o comportamento vocal inadequado, em especial o abuso vocal.

Os nódulos não tratam-se de tumores, pois apresentam novas formações celulares em sua composição: são formados por um tecido edematoso e/ou fibras colágenas.

Nódulos nas Cordas Vocais

Nódulos nas Cordas Vocais – Fatores de Risco

O comportamento vocal influencia diretamente no surgimento de nódulos nas cordas vocais: o problema incide principalmente sobre mulheres na faixa etária de 25 a 35 anos, e também sobre crianças, de ambos os gêneros, entre os 7 e 9 anos.

Os principais alvos da condição são pessoas que fazem uso constante da voz no trabalho, os “profissionais da voz”, grupo que engloba professores, telefonistas, secretários, apresentadores, cantores, atores, advogados, leiloeiros, médicos, entre outros.

Pesquisas apontam que, dentre os pacientes adultos que apresentam nódulos nas cordas vocais, mais de 90% são do gênero feminino, mais de 60% são professores, 95% são não-fumantes e mais de 80% trabalham durante dois ou três turnos.

Determinados comportamentos que caracterizam o uso inadequado da voz, a longo prazo, comumente resultam no surgimento de nódulos nas cordas vocais.

Os hábitos mais comuns de mau uso da voz são: falar muito alto, muito rápido ou durante muito tempo, gritar constantemente, produzir voz em um tom muito grave, falar em ambientes barulhentos, falar e realizar movimentos físicos intensos simultaneamente, emitir sons com muita força e falar com a ressonância baixa, forçando a garganta.

Alergias respiratórias, distúrbios hormonais, tabagismo e etilismo são outros fatores que também Têm relação com o aparecimento de nódulos vocais.

Sintomas de Nódulo nas Cordas Vocais

Os nódulos nas cordas vocais provocam alterações no padrão de produção do som. As mudanças mais perceptíveis auditivamente são a rouquidão, a soprosidade e as modificações no tom de voz (tom mais grave ou mais agudo).

Outras queixas comuns de pacientes com nódulos vocais são de cansaço durante a fala, dor na laringe ou no pescoço, presença de muito pigarro e dificuldade de falar por muito tempo, dificuldade de produzir notas agudas e dificuldade na coordenação da respiração e produção da voz.

Nas crianças, os sintomas dos nódulos vocais são semelhantes aos dos adultos: somente a dificuldade em coordenar a respiração e a produção da voz fica mais evidente. Em alguns casos, elas podem perder a voz durante alguns períodos de tempo.

Diagnóstico  e Tratamento de Nódulo nas Cordas Vocais

O diagnóstico de nódulo nas cordas vocais varia de acordo com as especificidades de cada paciente, tais como: história clínica, sintomas, causas e comportamento vocal. É preciso analisar se há uso excessivo ou inadequado da voz na rotina do paciente, qual sua demanda vocal e  detectar características que possam contribuir no tratamento e na mudança de hábitos voltados à voz.

Se você notou a presença de alterações na sua voz ou rouquidão persistente (por mais de 10 dias) que não estejam relacionadas a outras condições clínicas, como um resfriado, não exite em procurar o otorrinolaringologista de sua confiança.

O especialista poderá detectar a causa dessas alterações e indicar a intervenção fonoaudióloga adequada, assim como a mudança de hábitos que o paciente terá que passar durante as sessões de tratamento, e ainda se há ou não necessidade de intervenção cirúrgica.

O acompanhamento médico é igualmente fundamental no caso das crianças. Quando antes o problema for diagnosticado, mais amplas são as possibilidades de tratamento.

Prevenção dos Nódulos nas Cordas Vocais

A melhor forma de prevenir dos nódulos vocais é cuidar bem da voz, afinal, trata-se de uma condição decorrente de hábitos nocivos, uso inadequado e abuso da voz. Alguns cuidados são necessários, especialmente no caso de pessoas que fazem uso contínuo da voz no trabalho e no dia a dia.

Rouquidão

Rouquidão – Quando Procurar Ajuda Médica

A rouquidão trata-se da mudança que ocorre no tom ou na qualidade da voz; um tom de voz mais “áspero”, pode-se dizer. Existem dois tipos de rouquidão: a aguda (de curta duração) e a crônica (de longa duração).

Rouquidão

Rouquidão – Saiba Mais

A rouquidão aparece comumente após festas com som alto, principalmente em junção ao uso de cigarro e álcool, ou em profissões que exigem muita comunicação. Esses casos são episódios de rouquidão aguda, geralmente ocasionados pelo cansaço vocal. A voz retorna ao normal dentro de alguns dias, com o descanso e os cuidados necessários.

Entretanto, mesmo esses episódios de rouquidão devem ser encarados como anormalidades do corpo, e não como uma simples casualidade passageira. Existem algumas condições médicas graves que desencadeiam a rouquidão constante, podendo vir acompanhadas inclusive de sintomas como tosse, dor, pigarro, sangue, dificuldade para respirar ou engolir, entre outros.

Causas da Rouquidão

A rouquidão representa um mau funcionamento da laringe que, através da vibração das cordas vocais, emite o som. O uso indevido da voz (como nos exemplos citados acima) pode gerar inflamação nas cordas vocais e, consequentemente, a rouquidão.

Porém, quando a condição é recorrente ou acompanhada de outros sintomas, pode ser um sinal de alerta de doenças mais graves, tais como:

  • Doença das Vias Aéreas Superiores

As vias aéreas nasais são estruturas constituídas pelas cavidades nasais, faringe e laringe. Toda e qualquer condição que acometa essa região – geralmente gripes, resfriados, alergias e inflamações virais/bacterianas – e cause algum tipo de irritação e/ou dor na garganta, pode ocasionar a rouquidão.

  • Refluxo Faringo-Laríngeo (RFL)

O refluxo é um ácido do estômago que geralmente que afeta o exôfago. Porém, em casos mais graves e não tratados, a condição pode afetar a faringe e a laringe, provocando irritação e dor na região devido à nocividade da substância à garganta. Esses sintomas vêm acompanhados ainda de tosse seca, pigarro e rouquidão.

  • Papilomatose laríngea

A papiloma de laringe é uma enfermidade causada pela infecção por HPV, que acarreta tumores benignos na região da laringe.

O sintoma inicial da doença é a rouquidão e a alteração da voz, e em casos mais extremos a papiloma pode até mesmo vir a bloquear as vias respiratórias, de acordo com sua progressão, podendo levar o paciente a dificuldades respiratórias intensas.

  • Câncer de Laringe

São muitos os fatores que podem ocasionar o câncer de laringe, entre eles: falta de cuidado com a garganta, lesões nas cordas vocais, refluxo faringo-laríngeo e papiloma de laringe. O tumor pode se encontrar em diferentes regiões, mas, quando localizado nas cordas vocais, a rouquidão é o primeiro sintoma que se manifesta.

  • Outras Causas

Além das citadas acima, existem outras condições podem desencadear a rouquidão, tais como: alergias, inalação de substâncias irritantes, tosse crônica, aneurismas da aorta superior, broncoscopia, dano aos nervos ligados à voz, tireoide pouco ativa, nódulo nas cordas vocais, fraqueza dos músculos em torno da laringe, consumo excessivo de cigarro e/ou álcool e puberdade.

Rouquidão – Quando Procurar Ajuda Médica

Caso a rouquidão seja recorrente ou venha acompanhada de outros sintomas, como dificuldade em respirar ou engolir, muita salivação, ou se o paciente for um bebê com menos de três meses, deve-se procurar ajuda médica. O especialista será capaz de diagnosticar a causa da rouquidão e prescrever o tratamento adequado.

Parkinson e os Músculos da Garganta

Doença de Parkinson e os Músculos da Garganta

A Doença de Parkinson é um distúrbio neurológico e degenerativo do sistema nervoso central, que incide principalmente sobre pessoas com mais de 60 anos. Trata-se de uma doença crônica, portanto, não existe cura. Entretanto, existem tratamentos disponíveis eficazes no controle da doença.

A manifestação dos sintomas do Mal de Parkinson geralmente é lenta, e estes tornam-se mais evidentes à medida que a doença progride. Um dos prejuízos decorrentes da Doença de Parkinson é acometimento dos músculos da garganta.

Parkinson e os Músculos da Garganta

Doença de Parkinson e os Músculos da Garganta

Alguns dos pacientes acometidos com a Doença de Parkinson têm os músculos da laringe e da cavidade oral comprometidos, e queixam-se muito de engasgos e de lentidão ao falar.

As principais alterações vocais provocadas pela Doença de Parkinson são: rouquidão, voz trêmula, soprosidade, redução da intensidade da voz, imprecisão articulatória, gama tonal reduzida e dificuldades na mastigação e na deglutição.

A disfagia é uma das complicações que podem ser ocasionadas pelo Parkinson. Trata-se, basicamente, da dificuldade em fazer a deglutição de alimentos ou líquidos. Esta condição pode comprometer o estado nutricional do paciente, em estágios mais avançados.

Estas alterações da voz podem minimizar a efetividade da comunicação oral dos pacientes parkinsonianos, afetando seu bem-estar social, psicológico e econômico.

Doença de Parkinson e os Músculos da Garganta – Causas das Alterações Vocais

As alterações vocais citadas nos pacientes com Parkinson têm sido atribuídas ao fechamento glótico incompleto, à redução da sinergia e ativação da musculatura laríngea, atrofia ou fadiga muscular, assimetria de tensão ou movimento das pregas vocais, rigidez das pregas vocais ou dos músculos respiratórios.

Em alguns casos, o comprometimento dos músculos da garganta deve-se à disfunção cerebral neurocognitiva, neuroafetiva ou psicomotora.

Doença de Parkinson e os Músculos da Garganta – Diagnóstico e Tratamento

O médico responsável pelo diagnóstico, avaliação e tratamento de alterações vocais é o otorrinolaringologista. Os pacientes parkinsonianos que têm seus músculos da garganta acometidos devem procurar este profissional, para obter uma avaliação clínica e um diagnóstico assertivo acerca da alteração vocal.

Após o diagnóstico médico, o paciente deve dar início ao tratamento prescrito para estimular sua musculatura comprometida, de acordo suas especificidades – região afetada e estágio da doença.

O tratamento tradicional para para as alterações vocais do paciente parkinsoniano possui três abordagens distintas: mioterapia, coordenação das estruturas de fala e respiração. São exercícios realizados de uma a duas vezes por semana, com foco na articulação, velocidade e emissão da voz.

O tratamento para a reabilitação da voz exige muita dedicação e disciplina do paciente. É um processo geralmente lento, mas os resultados surgem ao longo do tempo.

Doença de Parkinson e os Músculos da Garganta – Acompanhamento Médico

O acompanhamento médico regular dos pacientes com alterações vocais provocadas pela Doença de Parkinson é de extrema importância em sua reabilitação. Os exercícios prescritos podem até ser realizados em casa.

O processo de reabilitação vocal é lento, mas traz resultados positivos quando realizado corretamente, elevando a efetividade da comunicação, alimentação e qualidade de vida do paciente parkinsoniano. A orientação é seguir à risca as orientações do otorrinolaringologista.

Disfonia

Disfonia Espasmódica – Diagnóstico e Tratamento

A disfonia espasmódica, chamada também de distonia laríngea, trata-se de um distúrbio vocal raro provocado por espasmos ou movimentos involuntários de um ou mais músculos da laringe ou do aparelho vocal, que resultam na tensão das pregas vocais e no aumento da resistência glótica.

A disfonia do tipo espasmódica incide sobretudo em pessoas na terceira idade, e é mais frequente em mulheres, mas pode afetar qualquer pessoa. Ainda de origem desconhecida, a doença persiste como umas das mais difíceis de serem diagnosticadas e tratadas.

Os sintomas da disfonia espasmódica variam desde uma dificuldade ocasional do paciente em pronunciar uma ou outra palavra, até uma dificuldade forte o suficiente para prejudicar sua comunicação. A doença impacta negativamente a qualidade de vida do indivíduo, podendo levá-lo até mesmo ao isolamento social.

Disfonia

Disfonia Espasmódica – Classificações e Sintomas

A disfonia espasmódica divide-se em três tipos: D.E de adução, D.E de abdução e D.E mista. A classificação varia de acordo com a musculatura laríngea envolvida.

Os sintomas do distúrbio manifestam-se somente no momento da fala e podem aumentar ou reduzir, de acordo com o tipo de emissão. São eles: voz tensa-estrangulada; quebras de sonoridade instáveis; esforço fonatório excessivo; esforço para emitir a voz e cansaço vocal.

Disfonia Espasmódica – Diagnóstico

A disfonia espasmódica é uma doença rara e difícil de ser diagnosticada, e por isso o intervalo de tempo entre a manifestação dos sintomas e o diagnóstico geralmente é muito longo: os portadores deste distúrbio vocal levam, em média, mais de 4 anos para serem assertivamente diagnosticados.

O diagnóstico da disfonia espasmódica baseia-se na descrição da progressão dos sintomas e em uma avaliação detalhada do paciente.

O principal recurso diagnóstico da disfonia espasmódica é o exame laringoscópico; entretanto, este não evidencia alterações estruturais que caracterizam a doença. Por isso, muitos pacientes são diagnosticados equivocadamente como portadores de distúrbios conversivos ou psiquiátricos.

Avaliação Clínica

A avaliação dos pacientes com disfonia espasmódica é realizada por uma equipe médica que inclui um otorrinolaringologista (médico especializado em distúrbios do ouvido, nariz e garganta), um fonoaudiólogo (especialista habilitado para diagnosticar e tratar distúrbios de fala, linguagem e voz) e um neurologista (médico especializado em distúrbios do sistema nervoso).

O otorrinolaringologista é responsável por avaliar o movimento das pregas vocais, através de um procedimento denominado nasolaringoscopia por fibra óptica, que consiste na introdução de um pequeno tubo luminoso para examinar o nariz e a garganta do paciente.

Disfonia Espasmódica – Tratamento

Atualmente, não existe cura para a disfonia espasmódica, mas existem tratamentos disponíveis eficazes na minimização dos sintomas do distúrbio. A terapia vocal pode reduzir alguns sintomas, sobretudo em casos mais leves.

Aconselhamentos psicológicos e ocupacionais podem beneficiar os pacientes de disfonia espasmódica, ajudando-os a encarar a condição de maneira positiva e se adaptar a ela.

Aplicação da Toxina Botulínica

O tratamento atual mais promissor na redução dos sintomas é a aplicação de pequena quantidades da toxina botulínica (botox) nos músculos afetados da laringe. Estas injeções geralmente promovem uma melhora da voz por um período de 3 a 4 meses, e depois os sintomas retornam gradativamente.

Por isso, o ideal é que a aplicação da toxina botulínica seja feita novamente após este período, para manter a melhora da voz. Os efeitos colaterais do tratamento, que geralmente passam após alguns dias ou semanas, podem incluir fraqueza temporária, voz sussurrada e dificuldades ocasionais de deglutição.

Otorrinolaringologia

Do Hospital Ibirapuera ao Núcleo de Otorrinolaringologia de São Paulo

Nos anos 60, o Brasil passava por importantes transformações comportamentais, que se refletiam em toda a sociedade. Na área da Medicina, inúmeras faculdades foram criadas, assim como diversas especialidades foram sendo aperfeiçoadas. E este foi o caso da Otorrinolaringologia.

Neste artigo, vamos conhecer um pouco deste processo que, em São Paulo, incluiu a história do Hospital Ibirapuera, referência na especialidade de Otorrinolaringologia, durante todo o seu período de existência. Acompanhe.

O Instituto de Otorrinolaringologia e Endoscopia Peroral

OtorrinolaringologiaEm meados de 1960, um grupo de otorrinos que trabalhavam juntos no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo e no Hospital das Clínicas da USP, resolveram montar uma clínica comum a todos. Para tal, alugaram uma casa na rua Correia Dias, 73, no bairro do Paraíso, e fundaram o Instituto de Otorrinolaringologia e Endoscopia Peroral (IOEP).

Desde grupo inicial, constavam Moisés Cutim (chefe do Serviço de ORL do HSPE), Paulo Cunha Cintra, Luiz Pereira Barreto Sobrinho, Cid Pupo, Brás Nicodemos, Mauro Spinelli, Zenshi Hishiki, Domenico Modesto, Antonio Douglas Menon, Rhadamés Ribas Neto, Walter Freitas, Fabio Freire, Paulo Carvalho, Antonio Carlos Graça Wagner, Augusto Pastore Filho e José Antonio Pinto.

O IOEP atendia pacientes particulares e de alguns convênios, mantendo plantão de 24 horas na especialidade, uma grande novidade na época. Cirurgias também eram realizadas na clínica.

A Ampliação do IOEP

Em 1967, ocorreu a unificação dos institutos de previdência (antes representados por vários grupos, como dos bancários, dos comerciários, etc.), em um único: o INPS (Instituto Nacional de Previdência Social). Também foi criada a 2ª. Tarefa, medida que possibilitou aos médicos previdenciários serem remunerados por seus procedimentos cirúrgicos, estimulando assim a produtividade.

Já então bem estruturado, o IOEP foi credenciado para atendimento das emergências e cirurgias do INPS e, como oferecia cobertura com plantonistas 24 hs., muitos otorrinos passaram a fazer suas cirurgias no Instituto.

O grande movimento cirúrgico levou a alugarem casa vizinha para a ampliação das internações e das salas cirúrgicas. Em pouco tempo, já eram realizadas mais de 50 cirurgias por dia. Com este movimento crescente, o grupo partiu para a ideia de construir um hospital próprio especializado em ORL, adquirindo terreno na recém inaugurada Avenida Rubem Berta, próximo ao Hospital do Servidor e da AACD.

A Inauguração do Hospital Ibirapuera

Hospital Ibirapuera - OtorrinolaringologiaCom um projeto bastante audacioso, em 4 de agosto de 1969, inaugurava-se o Hospital Ibirapuera S.A., com área física de mais de 1.400 m2 em sua parte térrea e com fundações em sua parte posterior para mais 10 andares com 400 m2 cada.

Em seu térreo, havia recepção, 5 consultórios, 1 consultório de fonoaudiologia, 5 apartamentos, 3 enfermarias, posto de enfermagem, centro cirúrgico com vestiário, 3 salas cirúrgicas grandes e 2 pequenas, sala de recuperação e área de pronto atendimento.

Apresentava também toda infraestrutura hospitalar, como lavanderia, cozinha e vestiários. Como o primeiro hospital especializado em São Paulo, o Hospital Ibirapuera tornou-se uma referência na Otorrinolaringologia paulista e brasileira, onde atuavam os seus proprietários e também grande número de otorrinos da cidade.

O Centro de Estudos do Hospital Ibirapuera

Em 1973, foi criado o Centro de Estudos do Hospital Ibirapuera, sendo seu primeiro presidente José Antonio Pinto, que organizou então a Residência Médica em Otorrinolaringologia, uma das primeiras no Brasil fora dos centros universitários.

Foram seus primeiros residentes Lauro João Lobo Alcantara, formado pela Universidade Federal do Paraná, Simone Pavie Simon, da Escola de Medicina e Saúde Pública da Bahia e Jarbas Barbosa, da Faculdade Medicina do Triângulo Mineiro de Uberaba.

A residência em Otorrinolaringologia do Hospital Ibirapuera tornou-se uma das mais concorridas do país e por ela passaram os seguintes médicos:

  • Juvêncio Coelho Lustosa,
  • Luiz Márcio Hummel,
  • Reinaldo Salmazo,
  • Alexandre Felippu Neto,
  • Antonio Abel Pauperio,
  • Modesta Ishii,
  • Renato Abissamra,
  • Celso Gomes,
  • Deraldino Alves Campos,
  • Alfredo Jimenez,
  • Haroldo F. Vilela,
  • João Fernandes Leal,
  • Obionor Nóbrega,
  • Alberto Peña Montaña (da Bolívia),
  • Angel Alberto Peña,
  • Heitor Sonda,
  • Aldo Cassol Stamm,
  • Fabio Freire Junior,
  • Pedro Luis Cóser,
  • Maria José Costa Cóser,
  • Teresa Monteiro Teixeira,
  • Washington Almeida,
  • Domingos Lamônica Neto,
  • Rogério Barros,
  • Ricardo Sallum,
  • Gabriel David Hushi,
  • Carlos Otavio Branco Graminho,
  • Aureo Fernandes Borges,
  • Donaldson Breda,
  • Charif Abrão Elias,
  • Robson Vieira Santos,
  • David Grinstein (da Bolívia),
  • Khalil Fouad Hanna,
  • Olavo Cancian,
  • Olavo Luiz Estefanato,
  • Rui Lobo,
  • Angela Maria Pereira de Barros,
  • Fátima Milito,
  • Carlos A. Rodrigues de Faria,
  • Renato Euclides C. de Veloso Viana,
  • Rafle Kardouz (da Síria),
  • Sonia Pereira,
  • Laércio Freitas de Oliveira,
  • Milton Pamponet da Cunha Moura,
  • Fábio Freire Junior,
  • Luis B. Schemi,
  • Luiz Eduardo Wambier,
  • Nuno Duarte Pizarro (de Portugal),
  • Raul Antonio Ferreira,
  • Rafael Moliterno Neto,
  • Francisco Cóser,
  • Edson Carlos Miranda Monteiro,
  • Wilson dos Santos,
  • Sergio Lorentz Seballos,
  • Antonio Salaroli,
  • Sérgio Bittencourt,
  • Ulisses José Ribeiro,
  • Cândido José Santiago Moraes,
  • Rômulo Augusto Barros,
  • Julio Marcos Pinheiro,
  • Nilvano Alves Andrade,
  • Almir Rolla,
  • Maria Angélica Ayres Arrais,
  • Mauro Knoll,
  • Carlos Tadeu Rodrigues de Souza,
  • Valtrudes Alves Pamplona,
  • Luiz Alberto Gonçalves dos Santos,
  • Levon Mekhitarian Neto,
  • Charly Torregrosa.

A Fundação do Núcleo de Otorrinolaringologia de São Paulo

Em final de 1985, o Hospital Ibirapuera encerrou suas atividades em Otorrinolaringologia, devido problemas societários, sendo vendido a uma empresa seguradora na área da saúde.

Durante 16 anos de intensa atividade, o Hospital Ibirapuera marcou uma era dentro da Otorrinolaringologia, em seu aspecto assistencial e no desenvolvimento da especialidade em nosso país.

Além de centro de excelência na formação de novos especialistas, fomentou o desenvolvimento das mais modernas técnicas em ORL, como a microcirurgia da laringe, a microcirurgia endonasal, a cirurgia da base do crânio, o uso dos raios laser em ORL e outras. A lacuna aberta com o seu encerramento jamais foi preenchida.

A Continuidade da Residência em Otorrinolaringologia

Com o encerramento do Hospital Ibirapuera, o Dr. José Antonio Pinto fundou o NÚCLEO DE OTORRINOLARINGOLOGIA E CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO DE SÃO PAULO, juntamente com outros colegas, dando andamento ao programa de residência médica em Otorrinolaringologia, que funciona ininterruptamente até hoje.

Este programa continuou inicialmente no Hospital Nossa Senhora de Lourdes, posteriormente no Hospital Bandeirantes e na Clínica Infantil do Ipiranga. Desde 1993, o Núcleo de ORL funciona no Hospital e Maternidade São Camilo – Pompéia, localizado a Avenida Pompéia, 1137 e em sua sede, na Alameda dos Nhambiquaras, 159, Moema, São Paulo.

Foram residentes do Núcleo de ORL:

  • Paulo Borges,
  • Mab Furlan,
  • Denise Abritta,
  • João Oswaldo dos Santos,
  • Gerardo Paredes Rengifo (da Colombia),
  • João Elmar de Oliveira,
  • Eduardo Barbosa de Souza,
  • Sávio Nogueira da Silva Junior,
  • Saulo de Tarso Sgarbi,
  • Luiz Nobuo,
  • Massao Yamada Sawamura,
  • Pedro Paulo da Cunha Cintra,
  • Henrique Cesar Felippu Pinto,
  • Lucia Helena da Costa Pinto,
  • Luciana Lagata, Mario Luis Freitas,
  • Fernando Cervantes dos Santos,
  • Carlos Eduardo Cervantes dos Santos,
  • Adriana Meneghini, Liz Tozatti,
  • Irajá Alves de Oliveira Junior,
  • Aguilar Rodrigues Junior,
  • Airton Gonçalves,
  • Ana Carla Souza Marque,
  • Angelika Ursula May ,
  • Arturo Frick Carpes,
  • Delmer Jonas Polimeni Perfeito,
  • Denilson Storck Fomin,
  • Eduardo Amaro Bogaz,
  • Eduardo Nogueira Magri,
  • Eloisa Pires do Prado,
  • Fernando Arruda Ramos,
  • Fernando J. Sales Carneiro,
  • Geraldo Rafael Muniz,
  • Glaura Maria Pimentel Ferreira,
  • Gustavo Duarte Paiva Ferreira,
  • Gustavo Juliani Faller,
  • Janaina Guidotti Cunha,
  • Jeanne da Rosa Oiticica Ramalho,
  • José Carlos Maruoka,
  • Jose Milton Moura Borges,
  • Jucicleide B. Coimbra,
  • Luciana Balester Mello de Godoy,
  • Luiz Henrique Vaz,
  • Marcus Alexandre Sodré,
  • Michele Villa Flor Brunoro,
  • Monica de Oliveira Nobrega,
  • Milton Hiroshi Abe,
  • Paula Zimath,
  • Renato José Corso,
  • Roberto Duarte Paiva Ferreira,
  • Rose Mírian de Mateo,
  • Rozania Soeli dos Santos,
  • Rubens Huber da Silva,
  • Salvador do Carmo Rodrigues,
  • Silvia Helena Lanza,
  • Suhenia Ligia P. Lima,
  • Valeria Brandão Marquis,
  • Paola Barbieri Pasquali,
  • Silvana Belloto,
  • Cris Vanessa Gasgues,
  • Carolina de Farias Aires Leal,
  • Josemar dos Santos Soares,
  • Marina Spadari Àrtico,
  • Fabio Caracho Batista,
  • Thiago Branco Sônego,
  • Regina Helena Noronha Gonçalves.

Mais de 70 novos otorrinolaringologistas foram formados nos 16 anos de existência do Hospital Ibirapuera, nomes de relevância dentro do cenário de nossa especialidade. Nos últimos 20 anos, o Núcleo de Otorrinolaringologia, Medicina do Sono e Cirurgia de Cabeça e Pescoço de São Paulo, continuando esta mesma missão, contribuiu com mais 68 novos otorrinolaringologistas para nosso país.

Sob a direção do Dr. José Antonio Pinto, atendemos a todos os setores da Otorrinolaringologia, Medicina do Sono, Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Cirurgia Crâniomaxilofacial, contando também com os seguintes médicos: Pedro Paulo Cintra, Henrique Cesar Felippu Pinto, Fernando Cesar Cervantes dos Santos, Gustavo Duarte Paiva Ferreira, Roberto Duarte Paiva Ferreira, Heloisa Pires do Prado, Aguilar Rodrigues Fo., Simone Pavie Simon, Nelson Colombini, Arturo Frick Carpes, Eduardo Bogaz e Luciana Ballester Mello de Godoy.

ifos 2017 - Médico do Sono

Congresso Mundial de ORL da IFOS 2017

No período de 24 a 28 de junho de 2017, mais de 8.000 profissionais da otorrinolaringologia de todos os continentes: África, América (Central, Norte e Sul), Ásia e Europa planejam chegar a Paris para o IFOS 2017.

O Congresso Mundial de ORL da IFOS (Federação internacional da Sociedade de Otorrinolaringologia) é realizado a cada 4 anos, desde 1928, e já foi acolhido por diversos países.

Diversidade, Inovação e Avaliação

O programa científico já está esboçado pelo resultado da reunião de preparação do Congresso, que foi organizada em Paris em janeiro de 2015, dois anos e meio antes do Congresso. O Programa Preliminar tem o tema principal de “Diversidade, Inovação e Avaliação”.

Este programa incluirá todos os aspectos relacionados ao tema, com diversos membros da sociedade internacional participando ativamente das conferências, mesas redondas, simpósios e cursos de instrução com seus colegas, para compartilhar conhecimento de ponta no campo da pesquisa e da ciência clínica em Otorrinolaringologia.

Nossa participação no congresso

O Dr. José Antonio Pinto aceitou o convite para juntar-se a este bem organizado 21º Congresso Mundial da IFOS, para dar uma palestra e participar de uma mesa redonda, atualizando e compartilhando conhecimentos com os colegas da área, além de aproveitar um pouco da encantadora Paris.

A palestra que será ministrada pelo Dr. José Antonio Pinto é sobre o procedimento diagnóstico de sonoendoscopia, um método diagnóstico inovador para a apneia do sono, que permite a identificação do local onde ocorre a obstrução respiratória e geração do ronco.

O Dr. também participará de uma mesa redonda sobre Técnicas Cirúrgicas para o Tratamento de Apneia do Sono e Ronco.