Horário de Atendimento:

8:00h - 20:00h

  • pt-br

Telefone:

(11) 5573-1970

Anomalias Craniofaciais

Anomalias Craniofaciais – Saiba Mais

As crianças que sofrem de anomalias craniofaciais desenvolverão problemas se os pais não conseguirem buscar um tratamento adequado. Os problemas causados pelas deformidades craniofaciais podem prejudicar seu crescimento a longo prazo e até mesmo a educação. As crianças com essas condições precisam de tratamento e reabilitação adequados para viver uma vida normal.

Com a leitura deste artigo, saiba mais informações sobre as causas da anormalidade e suas formas mais comuns.

As Anomalias Craniofaciais

São um grupo diverso de anormalidades no crescimento dos ossos da face e cabeça. Estão presentes desde o nascimento e variam em gravidade; algumas são de natureza leve, enquanto outras formas são severas e precisam de cirurgia e tratamento.

Anomalias Craniofaciais – Causas

Vários fatores podem causar uma anormalidade craniofacial, com alguns dos mais comuns sendo:

  • Genética – As crianças recebem uma combinação de genes de seus pais. E incompatibilidades genéticas podem causar a formação de uma deformidade craniofacial.
  • Ambiente – Combinado com a genética, fatores ambientais podem desencadear uma fissura labiopalatina e outras anormalidades. A ingestão de certas drogas pela mãe, o uso de cigarros durante a gravidez, bem como certos tipos de medicamentos para convulsões e derivados da vitamina A podem aumentar a probabilidade.
  • Deficiência de ácido fólico – As mulheres grávidas que não têm ácido fólico em sua dieta podem ter um risco maior de ter um filho com anomalias congênitas, como fissura labial e palatina. O ácido fólico é uma vitamina do complexo B encontrada em vegetais de folhas verdes, cereais matinais fortificados, suco de laranja e cereais enriquecidos. É muito importante que as mulheres grávidas procurem seguir uma dieta que tenha ácido fólico suficiente para prevenir anomalias congênitas durante o parto.

Anomalias Craniofaciais – Tipos mais Comuns

Fenda labial e / ou Palatina

Uma separação no palato ou lábio ou ambos caracterizam esta anormalidade. Uma fenda labial não permite desenvolvimento e formação completos, o que pode criar uma grande abertura do lábio ao nariz. Uma fenda palatina impede que o teto da boca se feche completamente, deixando uma abertura que pode atingir a cavidade nasal. Fenda labial e / ou palatina é o tipo mais comum de anomalia craniofacial.

Craniossinostose

Esta é uma deformidade em que os pontos moles no crânio de um bebê fecham cedo demais, resultando em problemas com o desenvolvimento normal do crânio e do cérebro. O fechamento prematuro das suturas pode causar um aumento na pressão dentro da cabeça, deformando os ossos faciais.

Hemangioma

Caracterizado pela presença de um vaso sanguíneo anormalmente crescente na pele que parece uma marca vermelha fraca, presente desde o nascimento.

Estas são algumas das formas mais comuns de deformidades que as pessoas precisam conhecer. É importante saber mais sobre essas condições, as suas causas e como obter tratamento adequado ou cirurgia.

Efeitos das Anomalias Craniofaciais

As crianças que sofrem de anomalias craniofaciais desenvolverão problemas se os pais não conseguirem receber tratamento adequado. Uma fenda labial e palatina afeta o desenvolvimento da fala da criança. Essa deformidade impede que a boca se desenvolva adequadamente, impedindo que a criança fale corretamente, porque não consegue criar certos sons.

O mesmo problema também pode causar um problema de audição por causa do provável desenvolvimento de fluido atrás dos tímpanos, que pode se desenvolver posteriormente em uma infecção no ouvido. Uma criança pode precisar usar tubos para ouvir corretamente, e a falta de audição também pode causar atrasos na fala.

Buscamos aumentar a conscientização das condições craniofaciais em nossa comunidade e melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas por defeitos congênitos craniofaciais. Não deixe de procurar ajuda médica, pois as técnicas de tratamento estão cada vez mais otimizadas.

Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial

Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial – Eventos Setembro/2018

Gostaria de compartilhar com você algumas de nossas contribuições com o campo da Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial, neste mês de setembro.

Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial – Eventos

Exame de Suficiência em Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial

Neste dia 20 de setembro, o Dr. Arturo Frick Carpes participou da banca examinadora do Exame de Suficiência para obtenção do Certificado de Área de Atuação em Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial 2018.

Este exame testa e qualifica profissionais de Cirurgia Plástica, Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial, que passaram por um período de treinamento para que possam trabalhar nestas áreas de atuação, dentro do território nacional.

Este ano, foram 14 candidatos inscritos, que receberão o título pela Associação Médica Brasileira e o Conselho Federal de Medicina, estando habilitados ao exercício das técnicas inerentes à Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial.

Participar da banca examinadora é motivo para grande orgulho, ao qual dedicamos grande atenção, já que estamos contribuindo para manter o nível de qualidade na Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial no Brasil.

Congresso ABCCMF 2018

Nos dias 21, 22 e 23 de setembro de 2018,tivemos a honra de participar de um evento único em São Paulo, no Hotel Transamérica. Foram dois Congressos Brasileiros e um Congresso Latinomaricano de Anomalias Craniofaciais, das Associações ABCCMF – Associação Brasileira de Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial, ABFLP – Associação Brasileira de Fissuras Lábio Palatinas e LATICFA – Latin American Craniofacial Association, respectivamente:

  • XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial (ABCCMF)
  • X Congresso Brasileiro de Fissuras Lábio Palatinas e Anomalias Craniofaciais (ABFLP)
  • II Congresso da Associação Latinoamericana de Cirurgia Craniofacial (LATICFA)

Grandes nomes da cirurgia plástica e crânio-maxilo-facial, ortodontia, fonoaudiologia entre outras especialidades contribuíram com sua experiência! Entre eles, o Dr. Arturo Frick Carpes, que ministrou no domingo a palestra sobre Cirurgia de Base de Língua na Apneia do Sono e foi moderador de uma mesa redonda.

Programa Ti Ti Ti da Rádio Transamérica

Hoje, dia 26 de setembro, tivemos a participação do Dr. Arturo Carpes no programa Ti Ti Ti da Rádio Transamérica, das 8h às 10h da manhã!

Ao vivo em estúdio, o Dr Arturo falou sobre as deformidades das orelhas, o bullying sofrido pelas crianças que apresentam o problema e formas de tratamento precoce.

deformidades das orelhas

EarWell – Correção Precoce de Deformidades das Orelhas

Dados estatísticos mostram que deformidades das orelhas podem ocorrer a uma taxa de entre 20% e 30% de todos os nascimentos! É muito, não acha? Estas alterações muitas vezes acabavam não recebendo a atenção que mereciam, já que não havia, antes de EarWell, nenhum procedimento confiável, seguro, não-invasivo, não-cirúrgico disponível para tratá-las precocemente.

Quais características das orelhas da criança servem de sinais de alerta para pais procurarem o tratamento com o EarWell?

Observar assimetrias de posição e formato das orelhas, alterações anatômicas que fogem o padrão normal na família. O reconhecimento inicial das deformidades é realizado pelos pais em 72% dos casos. Orelha em abano é a deformidade mais comum (45% das ocorrências). Orelha ptosada, com alterações maiores mas curvatura externa da orelha (27%). Orelha Pontiaguda (8%), Padrões Mistos, 10%, Deformidades das curvas internas ( 7%).

15-20% dos nascimentos são candidatos a correção precoce. Atentar de destes paceintes, até 30% apresentam regressão da deformidade no primeiro ano de vida.

Deformidades das orelhas

No cenário ideal, com quanto tempo de vida do bebê os pais devem ir ao consultório para fazer o procedimento?

Nos primeiros dias após o nascimento, o estrogênio materno promove a plasticidade cartilaginosa excepcional na orelha neonatal. Os resultados são claramente melhores ao iniciar a moldagem nos recém-nascidos nos primeiros 5 – 7 dias, assim como resultados são subóptimos após 4 semanas de vida.

A maioria dos estudos concorda que a moldagem precoce permite um tempo de tratamento mais curto e leva a melhores resultados.  Nenhum consenso ainda existe quanto a idade limite para aplicação.

No dia a dia, como funciona o EarWell? O bebê fica 24h por dia com ele na orelha? E isso incomoda ou gera dor?

Durante as primeiras semanas de vido os pacientes aceitam bem a presença do dispositivo. Para a instalação geralmente uma pequena área de tricotomia (corte de cabelo) é necessária na região periauricular. A pele é higienizada e o dispositivo é então colado por adesivos especiais, e adaptado conforme o tipo de deformidade.

Os pacientes usam o dispositivo por 24 horas diárias, este é reaplicado se o adesivo afrouxar.

Os pacientes são seguidos semanalmente após a iniciação, o dispositivo é aberto e higienizado, e a forma do orelha checada a cada retorno.

Um período total de tratamento de 4 a 6 semanas permite chegar a resultados adequados. Depois a criança é mantida com pequenas fitas de retenção mais duas semanas. O tempo médio de tratamento é de 33 dias.

A presença do dispositivo geralmente não incomoda o paciente. Irritação da pele ou ulceração podem acontecer, e nesse caso o dispositivo é removido.

Quais profissionais podem realizar esse procedimento?

A pertinência da indicação deve ser avaliada por médico otorrinolaringologista, pediatra ou cirurgião plástico. O uso seguro deve ser responsabilidade de um desses profissionais após treinamento adequado.

Qual é a eficácia desse tratamento?

Se o tratamento for instituído nas primeiras 3 semanas há 90% de sucesso. Da terceira a quarta semana: 70% de sucesso. Após 4 semanas: < 50% de correção. Após 6 semanas de vida: molde não é recomendado. Com 46% dos casos sendo classificados como resultado bom ou excelente, e 43% classificados como resultado justo. Após 1 ano de seguimento, estes resultados se mantem estáveis.

É preciso considerar que dentre os pacientes não tratados, 70% permaneceram com a deformidade ou pioraram.

As vantagens do molde da orelha sobre o otoplastia incluem menos complicações e um potencial mais baixo para disturbios psicológicos.

Dra. Heloisa dos Santos é pessoalmente responsável pela produção, edição, adaptação e curadoria dos textos presentes neste site, além de sua manutenção financeira. Este site é orientado ao público leigo e seu conteúdo é somente de intento informativo e pode não ser adequado a todos usuários. O conteúdo deste site não substitui o médico. Todos devem sempre consultar seu médico antes de tomar qualquer decisão com respeito à sua saúde. Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie. Este site não hospeda ou recebe financiamento de publicidade ou exibição de conteúdo comercial. Política de Banners: Não temos publicidade e não fazemos trocas de Banner ou Display. Missão Do Site: prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade.Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada. Os comentários são visíveis a todos. Podem ser alterados ou apagados.