Horário de Atendimento:

8:00h - 20:00h

  • pt-br

Telefone:

(11) 5573-1970

apneia do sono

Apneia do Sono – Saiba Mais

apneia do sono

A presença de 15 ou mais eventos respiratórios obstrutivos por hora, mesmo na ausência de outros sintomas, como episódios de sono não intencionais durante a vigília, sonolência diurna excessiva, sono não reparador, fadiga ou insônia, também é suficiente para o diagnóstico da apneia obstrutiva do sono, ou como é conhecida, a apneia do sono.

Nesse caso, há uma maior associação da gravidade da obstrução com importantes consequências, como aumento do risco de eventos cardiovasculares, até mesmo como um AVC. Quer saber mais sobre a apneia do sono e suas consequências? Fique conosco neste artigo, pois vamos esclarecer alguns fatores sobre esta doença agora.

Apneia do sono e o sistema circulatório

A apneia do sono também compromete o sistema circulatório. Quando o cérebro percebe a falta de oxigênio, causada pela ausência de respiração, promove uma liberação de adrenalina, e a pessoa acorda para respirar. Nesse processo, a pressão arterial sobe e o coração dispara.

Esse paciente pode desenvolver arritmia cardíaca, e o coração passa a ter maior propensão de falhar. Além disso, diversos estudos estão evidenciando a apneia do sono como um fator de risco para o acidente vascular cerebral.

Apneia do sono em mulheres

Vários estudos populacionais têm mostrado que a apneia do sono é mais comum em homens do que em mulheres, e essa diferença é frequentemente evidenciada no cenário clínico.

Acredita-se que as diferenças em relação à distribuição da gordura corporal, comprimento e colapsabilidade da via aérea superior e hormônios sexuais, entre outros fatores, contribuam para a disparidade da prevalência entre os gêneros.

No entanto, essa disparidade entre os gêneros também pode ser o fato de que as mulheres não mostram a sintomatologia “clássica” da apneia do sono e, dessa maneira, podem permanecer subdiagnosticadas.

Ronco e apneia do sono

Um dos sintomas clássicos da apneia do sono é o ronco. Porém, muitas pessoas ainda acreditam que roncar é normal. Saiba mais sobre o assunto, lendo o artigo: “Roncar é normal?“.

Se trata de uma plataforma moderada por Dr. Arturo Frick Carpes, Dr. José Antonio Pinto e Dra. Heloisa dos Santos. Todos os moderadores citados são responsáveis pela produção, edição, adaptação e curadoria dos textos presentes neste site, além de sua manutenção financeira. Este site é orientado ao público leigo e seu conteúdo é somente de intento informativo e pode não ser adequado a todos usuários. O conteúdo deste site não substitui o médico. Todos devem sempre consultar seu médico antes de tomar qualquer decisão com respeito à sua saúde. Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie. Este site não hospeda ou recebe financiamento de publicidade ou exibição de conteúdo comercial. Política de Banners: Não temos publicidade e não fazemos trocas de Banner ou Display. Missão Do Site: prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade.Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada. Os comentários são visíveis a todos. Podem ser alterados ou apagados.